Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

 
A  noite desce sem luar e sem  estrelas;  tinge  o céu com o negrume da escuridão,  e tece o cenário dos heróis do medo. Temente, o próprio medo treme, e cambaleia. O anjo das trevas passeia, tocando com suas asas a imaginação das crianças. Assustada,  a boneca Maria Emília tem medo do homem que cada menino constrói dentro de si, a partir da interação com brinquedos monstruosos. Ela já não gosta  mais dos filmes de terror, vez por outra, acorda de sobressalto, por causa de  pesadelos habitados por criaturas diabólicas, que outrora, via na TV. Assim, logo que  passou a pensar como uma pessoa adulta, considerou que monstro é criação de mentes doentias: diabinhos que o autor transfere em forma de imagem para livros, revistas, e  telinha  da televisão.
Insone, Maria Emília refletia: “Se é verdadeiro dizer que os sinais sonoros e visuais descortinam emoções,  também é verdadeiro afirmar que este  mesmo conjunto de imagens e som leva a atitudes e condutas de acordo com a percepção, em torno da qual, orbitam os sentidos humano.” E, pela primeira vez, a boneca de pano foi tomada por  sentimentos estranhos, desejou ser a rainha das  bonecas, ter muitos súditos e um grande exército para combater o inimigo que lhe perturba o sono. 
— Ravinha, eu gostaria muito de ser corajoso como Bob.
— Os homens escondem seus medos, quando estão diante das mulheres. Faça  o teste — disse Ravenala —  quando Bob disser que não tem medo, olhe os lábios dele. Se tremerem, ele está mentindo.  
— Não são mais os olhos a janela do coração? — quis saber a boneca.
— O rosto é  o lado externo do coração; os olhos, ambos os lados; mas são os lábios que escondem ou revelam a verdade.
Teve vontade de dizer que o coração do homem modifica seu rosto, para o bem ou para o mal. Assim, não podem ser do Bem os brinquedos com faces monstruosos. Então, pensou em construir uma boneca com duas faces: uma com rosto feliz  e outra com rosto  triste. Mas, reprovou ela mesma seu projeto: Melhor fazer duas bonecas: uma triste e a outra feliz, e quando estivesse triste, brincaria  com a boneca triste... Não!  Isso a levaria a entristecer-se mais ainda. E sorriu da ideia que invadiu sua mente. Depois chorou profundamente, com pena dos meninos que brincam com criaturas monstruosas, e têm suas noites perturbadas por pesadelos. “Por que não produzir bonecos à imagem e semelhança de santos?  Deste modo, as crianças sonhariam com anjos, e não com demônios fazendo diabruras em suas mentes.”  E novamente questionou:  Como podem dormir as crianças com um barulho destes:  “O cravo brigou com a rosa, debaixo de uma sacada, o cravo saiu ferido, e a rosa despedaçada...”  Ora, ora! Que me dizes? Isto é cantiga de ninar ou cenário de guerra?
Adalberto Lima
Enviado por Adalberto Lima em 25/10/2019
Reeditado em 25/10/2019
Código do texto: T6778846
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Adalberto Lima, "Estrela que o vento soprou." Obra em construção.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Adalberto Lima
Montes Claros - Minas Gerais - Brasil, 67 anos
3675 textos (443431 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/11/19 13:32)
Adalberto Lima