Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Cidade dos Corvos - Hora de Lutar

Tudo estava em câmera lenta,a cena que vou descrever agora, é a cena mais grotesca que eu já vi. Havia gaiolas de pássaros enormes pendurados por todos os lados, o fedor de sangue e de enxofre transformava o lugar no pior lugar do mundo, e em cada lugar,estava uma alma, uns acorrentados pelo corpo todo, com lanças que atravessavam os seus corpos, outros, que tinha lanças pela barriga, e espadas nos seus olhos, outros estava com a lança próxima do pescoço que bastava um movimento que ele morreria. Anna estava no meio deles, seu cabelo estava sujo, todo bagunçado,marcas pelo corpo inteiro, uma lança de um lado para o outro atravessado nos seus pés, uma corrente no pescoço e mordaça na boca, quando ela abriu os olhos, começou a chorar, seus olhos saiam lágrimas e não consegui ter outra reação além daquela,chorar.



Diante daquela cena, a cena mais triste de todas, eu vai de joelhos, e chorei, chorei de soluçar, eu não conseguia esconder a dor no peito,as lagrimas não cessaram, e a brutalidade ali me assustava, eu chorei e como eu chorei, eu só sabia chorar. Reunindo as forças,eu peguei o bolo de Chaves no meu bolso, e fui tentando procurar entre os olhos embaçados um jeito de achar a chave certa para cada fechadura. E quando as lagrimas cessaram, veio a raiva, o coração partido sim, mas a raiva………



Ah a raiva!.......



Eu só sentia ela dentro de mim agora, não sabia evitar, eu então, a procura de uma chave certa para a combinação comecei a falar:



-Pessoal….eu sinto muito…..eu sinto muito mesmo…..vou salvar vocês daqui. Não precisam se preocupar. - Eu finalmente havia achado a chave certa para a fechadura.



Eu abri aquela gaiola, e comecei a procurar novamente a outra chave para as correntes. Após encontrar, eu fechei os olhos, a alma estava acenando positivamente com a cabeça, como se ela estivesse dizendo para mim que não iria me criticar por fazer aquilo que eu tinha que fazer. Eu respirei fundo e contei até 3……



1……….



Me aproximei da alma…….



2…………



Segurei a lança que estava enfiada no peito dela………



3!.............



Eu puxei a lança, a alma gritou, mas gritou muito, os meus olhos marejaram de novo, e quando a quinta lança foi removida, eu finalmente havia libertado a primeira de muitas almas dali. E quando sobrou apenas Anna e Carlos naquelas gaiolas, eu respirei fundo, soltei Anna, ouvir os seus gritos era horrível. A dor que ela sentiu eu estava sentindo também,a agonia de ver aquelas lanças em ser pequeno corpo frágil, e a sensação de puxar uma lança de um corpo era a pior coisa na minha vida. Mas eu tinha que ser forte,eu tinha que resistir, eu tinha que lutar, não podia ficar ali, não podia deixar ninguém mais sofrer naquele lugar, eu tinha que fazer aquilo que tinha que ser feito.



Foi então que eu soltei ela, e ela caiu nos meus braços, e fraquinha disse:



-Eu não tenho palavras para expressar a minha gratidão…….eu…..achei que morreria aqui. - falou ela com os olhos cheios de lagrimas e o sangue escorrendo em seu corpo.



-Shhhhh…..não diga mais nada….você precisa descansar. - falei sorrindo.



Ajudei ela a caminhar até as outras almas, e coloquei ela ali respirando aliviada por estar solta. Voltei para ajudar Carlos que também estava preso, a agonia ainda não havía passado,mas pelo menos, havia um certo controle. Quando finalmente encontrei a chave para a fechadura da gaiola, Carlos gritou fraquinho:



-TOM! CUIDADO! - Disse ele.



Era tarde demais.



Eu já estava flutuando, agarrei o bolo de chave nas mãos, e consegui colocar no bolso antes que ela caísse de vez, eu estava levitando e virando para a entrada da caverna, fui jogado para o teto e fui jogado em direção a porta, mas o que diabos estava acontecendo?! ……

Quando estava no chão, eu abri os olhos, estava um salto alto vermelho em cima de mim e eu reconheci aquela voz horrenda.



-Você achou mesmo que libertaria todos e eu não saberia? - vociferou Medusa.



-Eu…….estava…..te esperando - senti um líquido quente e gosmento saindo da minha cabeça.



-Ora…...estava? Então eu vou fazer honras a minha presença seu moleque! - vociferou ela novamente.



Ela então, esticou o dedo e o apontou para a entrada da caverna, meu corpo foi lançado com tudo e atravessou a pedra que tampava a entrada da caverna, meu corpo caiu nas folhas do lado de fora, o lago cheio de lava estava borbulhante, parecia que iria me engolir vivo.



-ESTOU FARTA DE VOCÊ! FARTA DESSA SUA PREPOTÊNCIA! VOCÊ ROUBOU A PROFECIA! E A QUERO DE VOLTA! - Gritou Medusa ferozmente.



Minha boca saia sangue puro, o gosto do sangue, era parecido com o gosto de um  ferro,era horrível. Eu estava tonto, minha visão turva, e eu precisava que ela voltasse ao normal, mas eu não iria desistir.



-LEVANTE SEU MOLEQUE! UÉ VOCÊ NAO IRIA ME MATAR? - Gargalhou Medusa com um yom de deboche. - E AINDA DIZ E SE BANCA O HERÓI MAS NÃO CONSEGUR NEM FICAR DE PÉ DEPOIS DE UMA SURRINHA LEVE! -Gargalhou ela com desdém. - PATÉTICO! VOCÊ TOMAS É PATÉTICO! - Ela abriu a mão e o meu corpo foi levantado, ela me aproximou até próximo do seu rosto e disse com raiva: - ME DÊ A PROFECIA! - Gritou ela com ódio.



-VAI TER QUE ME MATAR PRIMEIRO! EU NUNCA VOU TE ENTREGAR! -Falei firme mas com a voz rouca.



-TE MATAR? MAS É ÓBVIO QUE EU VOU! MAS ANTES……..VOU FAZER VOCÊ SENTIR DOR DE VERDADE! - Falou ela.



Ela me jogou no chão, e então, ela apontou para o chão, ramos e galhos saíram do chão, e os ramos e galhos amarraram o meu corpo, eles ardiam fogo.

Medusa estralou os dedos, e Jenny apareceu na minha frente, eu tomei um susto.



-Não…..não…..deixa ela em paz!..... DEIXA ELA EM PAZ!...... VOCÊ NÃO PODE…

. NÃO…...DEIXA….ELA…..EM PAZ!-Gritei desesperado.



Medusa Gargalhou.



-NÃO QUER QUER EU TOQUE NA SUA DONZELA? ENTÃO ME DEVOLVA A PROFECIA! -Gritou ela.



-NUNCA! - Gritei de volta.



-Tom…...Tom….me ajude!.....me ajuda!..... Tom….. está doendo! - Suplicou a Jenny.



Eu fechei os olhos. Eu não queria ouvir aquilo.



-NÃO ESTÁ OUVINDO ELA TOM? DEVOLVA A PROFECIA E EU A DEIXO LIVRE! -Gritou Medusa rindo.



-NUNCA! DEIXA ELA EM PAZ! - Gritei ferozmente e tentei me livrar dos galhos.



Ela estralou os dedos, e Bart apareceu, eu fechei os olhos, e nada aconteceu, os dois tanto Jenny quanto Bart estavam ali.



-AMIGAO….ME AJUDA AI CARA…...TOM….AJUDA AI PARCEIRO! -Gritou Bart desesperado. -CARA ESTÁ DOENDO! - Gritou Bart com uma voz amarga.



-NÃO!…. NÃO!…... NÃO!..... NÃO TOQUE NELES!......DEIXE-OS EM PAZ! -Gritei tentando me safar daqueles ramos.



-ENTREGUE A PROFECIA TOMAS E ELES SERÃO LIVRES! -Gritou Medusa.



-NUNCA! -Falei firmemente.



Ela estralou os dedos duas vezes.



E apareceu Andressa e Fábio.

Ambos estavam caminhando lentamente, e indo em direção ao lago de fogo.



-NÃO! NÃO! NÃO! FÁBIO! ANDRESSA! VOLTEM! -Gritei desesperado.



-ELES NÃO PODEM TE OUVIR SEU BURRO! ESTÃO SOBRE O MEU PODER! AGORA…..A PROFECIA! - Medusa esticou a mão.



-EU NÃO VOU ENTREGAR NADA SUA MALUCA! - Gritei firmemente.



-AH NAO?! ENTÃO ALGUÉM VAI TER QUE MORRER! -gritou ela.



Ela puxou Fábio e Andressa para si,e então, ela foi em direção aos dois.



-NÃO! NÃO! NÃO! - Eu não queria ver, não queria saber.



-ABRA OS OLHOS TOMAS! ABRA OS OLHOS! AS PESSOAS QUE MAIS AMAMOS, SÃO AS QUE MORREM PRIMEIRO! -Gritou ela que esfregou os dedos e quando se aproximou de Fábio, ela abriu um sorriso.



-NÃO!......NÃO!!!!......NÃO!!!!!!!......-Gritei desesperado.



Medusa enfiou a mão dentro do coração e puxou, suas últimas palavras foram:



-Tom….. você não tem culpa de nada…...eu amo você!.....e eu nunca vou te abandonar!.... Não se culpe!.....ainda somos amigos. - e tombou para o lado.



-NÃOOOOOOOOOOOO! -Gritei desesperado. -NÃOOOOOOOO!......NÃOOOOOOOO!- Comecei a chorar desesperado.



Medusa estralou os dedos e os gamos me soltaram, eu caí no chão e comecei a chorar em cima do corpo, Medusa me chutou , eu caí no chão, nada mais importava, nada mais fazia o menor sentido, eu havia perdido, eu havia cedido,nada mais tinha eu para fazer, era tão incapaz, que não conseguia nem salvar a quem eu amava. Eu abri os olhos, e então,eu a vi, parada balacando os braços,ela estava atrás de Medusa, ela fez uns gestos estranhos, e eu não sabia o que era, eu estava tão triste……



mas então compreendi…...as chaves…...ela queria as chaves!......



Coloquei a mão no bolso, e joguei as chaves, caiu nas mãos dela, Medusa olhou para trás vendo aquele gesto, e eu chutei com os pés a sua barriga, ela foi para trás, e quase caiu.



Essa era a minha chance…….



estava na hora de mostrar…….



Quem é quem mandava aqui!......
Thatty Santos
Enviado por Thatty Santos em 13/01/2020
Código do texto: T6841134
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Thatty Santos
Praia Grande - São Paulo - Brasil, 21 anos
51 textos (240 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/01/20 00:16)
Thatty Santos