Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Carta ao Pai Natal

Lisboa, 2007-11-11

Querido Pai Natal:

Eu sei que já não tenho idade, quase 50 anos, para escrever cartas ao Pai Natal, e muito menos para ainda acreditar no Pai Natal, mas como eu não quero matar a criança que continua a viver dentro de mim, continuo a acreditar no Pai Natal.
Pai Natal, eu não quero matar a criança que vive dentro de mim, porque é ela que faz com que eu continue a acreditar que ainda é possível construir um mundo de paz e de amor, onde todas, mas todas mesmo, as crianças tenham direito a ser felizes e a ver respeitados os seus direitos universalmente aceites e mundialmente violados.
Pai Natal, eu não quero matar a criança que vive dentro de mim, porque é ela que faz com que eu continue a acreditar que envelhecer não é sinónimo de sofrimento mas sim um sinal de que somos aceites, compreendidos e respeitados como alguém que deu muito de si ao mundo, e que quando tivermos a idade que nossos pais têm, ou teriam, agora, não teremos de passar pelas privações e humilhações a que são sujeitos dia a dia.
Pai Natal, eu não quero matar a criança que vive dentro de mim, porque é ela que faz com que eu continue a acreditar que estará para breve o dia em que as mulheres serão vistas como companheiras, amigas, seres humanos iguais aos homens e não como seres que nasceram para sofrer na pele toda a espécie de marginalização, humilhação e desprezo com que ainda hoje são tratadas em tantas partes do mundo.
Pai Natal, eu não quero matar a criança que vive dentro de mim, porque é ela que faz com que eu continue a acreditar que um dia os doentes sentirão, não dó, nem compaixão, mas sim compreensão para o momento difícil que atravessam e terão direito aos cuidados essenciais de saúde.
 Pai Natal, eu não quero matar a criança que vive dentro de mim, porque é ela que faz com que eu continue a acreditar ainda me será dado a conhecer o mundo onde os deficientes não serão vistos como um obstáculo, um empecilho, um estorvo, uns inúteis para a sociedade, mas sim como alguém que somente nasceu algo diferente dos outros, mas que já tantos, e tantas vezes, provaram que basta acreditarem neles para que essa mesma sociedade que os marginaliza se venha a surpreender com as suas capacidades.
Pai Natal, eu não quero matar a criança que vive dentro de mim, porque é ela que faz com que eu continue a acreditar que um dia, os homens que detêm o poder, conseguirão colocar de lado as invejas, os ódios, as ganâncias que os têm levado a cometer tantas atrocidades contra os mais fracos, mais debilitados, menos preparados para enfrentar esse seu poder, sofrendo na carne, e na alma, os resultados desses sentimentos, frustrações, recalcados dos poderosos deste mundo.
 Pai Natal, eu não quero matar a criança que vive dentro de mim, porque quero pedir-te uma prenda de NATAL.
Já devias estar a estranhar tanta prosa, já devias estar à espera que te pedisse algo, afinal todos te escrevem a pedir uma prenda, pois é verdade, quero pedir-te uma prenda, ainda por cima uma prenda muito especial, quero pedir-te PAZ para o mundo.
Poderá parecer-te um pedido difícil de satisfazer, mas não o é, não te peço que mudes o coração de quem manda no mundo, peço-te antes que impeças que homens com coração de pedra voltem a governar.
Pai NATAL, não te preocupes em comprar carrinhos telecomandados, pistas de comboios, Bonecas muito bonitas que até falam e cantam, dedica o teu tempo nessa cruzada de dar PAZ ao mundo e as crianças, essas mesmas que neste NATAL ficarão tristes por não terem o brinquedo que te pediram, te agradecerão no futuro por as terem deixado ser crianças, por poderem ser mulheres livres e respeitadas, por poderem adoecer com tranquilidade, por poderem envelhecer com honra e dignidade, por não recearem vir a ter um filho deficiente.
Sim Pai NATAL, é isto que te quero pedir.

Obrigado Pai Natal

FrancisFerreira (Um homem de 50 anos que continua a gostar de ser menino)
FrancisFerreira
Enviado por FrancisFerreira em 10/11/2007
Reeditado em 20/01/2008
Código do texto: T732135

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FrancisFerreira
Portugal, 59 anos
637 textos (32189 leituras)
4 áudios (101 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/17 04:34)
FrancisFerreira