Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A CIDADE DORME.





 A segunda-feira se faz calorosa, corrida, cheia de compromissos, aqui e acolá, de um lado a outro, quase sem tempo para nada. O coração inquieto, pedindo sossego, descanso, calmaria, alento, mas, o que tenho senão inquietação de uma alma atordoada, ferida, manchada e sem desejo nenhum.
 A segunda-feira, como eu já imaginava, surgiu cheia de contratempos, e logo nas primeiras horas após o café, eu tive que sair, enfrentar trânsito, xingamentos dos motoristas, filas, estacionamentos lotados, enfim, um pouco de tudo em apenas um único dia.
 É a segunda-feira pulsante, Itavuvu congestionada, obras a passos de tartaruga, a cidade pede socorro, grita, urge… Somos todos cegos.
 - No mercado Já cedo seu Benedito.
 Disse o guarda.
 - Vida de aposentado é dureza meu filho, pensa que é fácil, não ter nada para fazer... É dureza meu camarada.
 E lá foi seu Benedito, fazer a feira do dia.
 Acontece que, os dias tem sido assim, um amontoado de acontecimentos, aventuras e desventuras que nos deixam malucos. São tantas coisas a serem feitas em tão escasso tempo que fica essa sensação ruim, esse sentimento de impotência. Entre um compromisso e outro, no quase escasso tempo, rascunho a minha porção diária na mente, logo esqueço.
 Quisera eu ser como seu Benedito. Aposentado, tranquilo, mas, os dias são outros, as leis também.
O sol está forte agora, calor intenso, hoje vai ser mais um dia daqueles, onde no final de tarde, o mundo desaba em água...
 
 A noite surge ligeira, uma brisa suave e quase fria sopra do norte, o céu está repleto de estrelas cintilantes, dançarinas. O meu coração bate apertado, está dolorido, e a causa principal… Sim, é o beija-flor; aquele mesmo de outrora. Lembro-me com o coração aos pedaços, desfeito em saudades. Talvez o beija-flor volte, talvez não, eu espero que volte logo, embora a razão venha a me contradizer.
 O restante da noite seguirá o seu curso, correria e correria dos seres noturnos, nada além disso, ao final, tudo se acalma novamente, e finalmente reinará momentâneo silêncio.
 A cidade dorme agora.




Tiago Macedo Pena
Enviado por Tiago Macedo Pena em 07/10/2019
Código do texto: T6763201
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tiago Macedo Pena
Sorocaba - São Paulo - Brasil, 37 anos
532 textos (12308 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/19 16:58)
Tiago Macedo Pena