Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LEONEL II - ALMOÇO - CAP. 11

                              CAPÍTULO 11 – ALMOÇO

                                            Bruno aproximou-se do filho e perguntou:
- Você quer que eu vá embora também?
- Por favor... Leandro respondeu, com voz tranquila. – Mas pode voltar... quando quiser. Me dá só um tempo.
   Bruno aceitou aquela decisão e saiu. No corredor, viu Cristina conversando com Floyd. Não se aproximou deles. Passou direto e saiu do corredor.
- Ele deve estar bem confuso... disse Floyd.
- Está... mas ele é o que está menos precisando entender o que está acontecendo. Eu agradeço a Deus, às vezes, por ele não acreditar. Mas ele sempre foi um bom pai pro Leonel e pro Leandro.
- Eu sei... A gente vê isso pelo caráter do Leonel.
   Cristina suspirou e passou as mãos pelos cabelos.
- Quer almoçar comigo?
- Almoçar? Eu não faço isso desde que trouxe o Leonel pra cá. Não voltei mais pro apartamento desde então.
- Por quê?
- Não consigo entrar lá...
- Então seu estômago deve estar pequenininho. Vamos. Tem um restaurante/lanchonete gostosinho aqui perto.
- Não trouxe dinheiro nenhum comigo, Cris.
- Eu estou convidando. Vem.
   Os dois foram a um restaurante há dois quarteirões do hospital e já acomodados numa mesa perto da porta do restaurante self-service, eles almoçavam, enquanto conversavam.
- A moto do Leonel ainda está no estacionamento do meu prédio.
- Depois você devolve. Ele não vai precisar dela por enquanto.
- Eu preciso ir até lá rápido. Vou ver se faço isso hoje. E preciso encontrar com o Gil também, saber quem foi que o pagou pra fazer o que fez com o garoto e por que.
- Você acha mesmo que foi ele?
- Agora que conversei com o Leo, tenho certeza.
- Que participação ele deve ter na história do Leo pra fazer uma atrocidade dessas? Será que foi ciúme de você?
- Ele pode até estar querendo se esconder atrás disso, mas... acho que não. Ele é muito mais "galinha" do que eu. Ninguém nessa relação doentia é tão fiel assim.
- Será que foi coisa... encomendada?
- Eu faço uma ideia, mas tenho que conversar com ele primeiro pra ter certeza.
   Os dois ficaram em silêncio, enquanto comiam. Floyd olhou para ela, pensativo, e perguntou:
- Você já parou pra pensar no que é na vida do Leo, Cris?
- Eu?
- É... Já parou pra pensar por que você está a tanto tempo na vida dele? Por que ele procurou por você e não por outra pessoa? Ele podia ter procurado pela própria Gilda. Por que você?
   Cristina encolheu os ombros e sorriu.
- Não sei... Você sabe?
   Ele sorriu também, enigmático.
- Pergunte a ele, quando estiver melhor, se essa volta tão traumática demorar a passar.
- Ah, Floyd!
- Não posso interferir nisso, Cris. Ele te ama por mil razões. E você não se apaixonou por ele enquanto espírito à toa. Quando o... Leonel falava de você pra mim, ele não falava só de uma tia solteira e charmosa; ele falava de você como um ser especial, bonito, quase um anjo... Eu morria de ciúme... dele e de você. Esse sentimento idiota só acabou quando eu te conheci... porque eu passei a te amar também.
   Cristina sorriu e passou a mão pelo rosto dele.
- Pena que eu já tenho uma vida tão complicada, ele continuou. – Complicada o suficiente pra não permitir que eu compartilhe da sua vida como homem.
- Você já compartilha, ela disse. – Só pelo fato de você amar o Leonel como ama. E conhecer toda complexidade da vidinha dele.
   Ele terminou de comer e passou o guardanapo pelos lábios.
- Bom, vou fazer o que tem que ser feito. Vou até o apartamento. Tomara que o Gil não esteja lá.
- Será que ele teria essa cara de pau?
- Ele é gay, viciado e mora quase de favor na minha casa. Você espera o quê de um cara assim?
   Ela sorriu.


                      LEONELEONELEONELEONELEONELEONELEONEL
                                    LEO (REENCARNAÇÃO)
                                             Capítulo 11


Velucy
Enviado por Velucy em 06/12/2017
Reeditado em 06/12/2017
Código do texto: T6191396
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Velucy
São Paulo - São Paulo - Brasil
345 textos (1295 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/17 21:40)