Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RP - O CASAMENTO DE BETO LAGE - PARTE 11


                          O CASAMENTO DE BETO LAGE
                                             PARTE XI

                       Bartley espera para ouvir o que Wagner tem a perguntar.
- Bartley... você não gosta do meu pai, não é?
- Da parte que eu conheci dele... não, mas eu o conheci pelos olhos de Stanley Russel. Você deve conhecê-lo melhor do que eu. Gosta dele?
- Eu amo meu pai... claro.
- Então não ligue pro que eu penso. Até logo.
   Bartley sai e Wagner fica ainda em pé perto da mesa. Olha para um porta-retratos sobre ela que não estava ali antes. Uma foto da mãe que ele não conhecia. Ergue a foto e desliza o dedo indicador pelo rosto da Christy e por seus cabelos.
- Oi, mãe... Não sei bem se era isso que você queria que eu fizesse, mas... não dá pra fazer diferente. Sinto muito se você viveu tão pouco e não conseguiu ver o meu pai pelos meus olhos. Você ia amá-lo muito mais agora. Tenho certeza.
   Ele beija a foto coloca o porta-retratos no lugar.
 
   Quando volta à sala, Bartley já se retirou. Com as mãos unidas às costas, aproxima-se de Gart que está encostado na lareira olhando para o fogo aceso, pensativo. Linda continua sentada no sofá.
- Mais calminho, titio?
  Gart se volta para ele sem dizer nada. Linda ri.
- Fala alguma coisa. Perdeu a língua, tio? Linda, tem brandy aí? Serve um pra ele. Deve ser o frio.
- Não precisa, Linda, fala Gart. – Minha temperatura normal é essa mesmo.
- Ele fala! Aleluia! O Bartley falou pra você que eu já fiz a lição de casa?
- Falou. Já pode ir pra casa, Gart responde, seguindo a linha de pensamento dele.
- Calma. Antes vem o recreio. A gente podia sair e dar umas voltas por Londres, hein? Que é que você acha, Linda? Estou com saudades do Big Ben. Vamos, Gart? - ele pergunta, se aproximando dele.
   Gart se afasta e vai para perto de Linda.
- Não estou com vontade. Vão vocês. E, por favor, levem algum dos rapazes junto.
- O Teo está por aí?
- Não sei... mas não custa prevenir. De qualquer forma, ele não sumiu da cidade por completo. Pode voltar a qualquer...
   A frase é interrompida por um estampido. Um tiro de revólver que estilhaça um vaso de porcelana a um palmo do braço de Wagner sobre a lareira, perto de onde Gart estava anteriormente. Um dos cacos do vaso fere o rosto dele, pouco abaixo do olho esquerdo. Gart corre em direção à janela de onde provavelmente teria vindo o tiro e onde há o buraco de bala no vidro e os cacos no chão. Vê Teo correndo entre as árvores. Vê também Bob e Neil já correndo no seu encalço.
- Você está bem? - Linda pergunta, ajudando Wagner a sentar-se no sofá com a mão no rosto.
- Acho que sim... O que foi isso, Gart?
- Você não tem ideia? – ele pergunta, indo para perto dos dois.
- Ele tem tão má pontaria assim? Coitado do vaso. Devia ser caro, não?
- Ele não quis acertar. Se quisesse, você não estaria fazendo piadas agora. Teo é ótimo atirador. Ele só quis te avisar. É melhor cuidar desse corte. Eu vou ver se os rapazes conseguiram pegá-lo.
   Mas Bob e Neil não conseguiram alcançá-lo. Quando chega à guarita, Gart vê os dois voltando, cansados e muito zangados.
- Eu não sei como ele entrou, diz Bob. – Não foi pelo portão senão o Pete teria visto. Deve ter pulado o muro.
- Alto como é... não acredito muito, diz Gart.
- Mas nós três estávamos no portão, Gart, fala Peter. - Ninguém passou por ele, tenho certeza.
- Ele pode ter entrado durante a noite. Só você estava de guarda ontem, não é?
- Você está sugerindo que eu dormi? - Peter pergunta ofendido.
- Não estou sugerindo nada. Só sei que ele sabe tudo sobre essa casa e não pode atravessar paredes ainda. Isso não está mais em discussão.
- Nós vamos dar umas voltas pelo quarteirão e ver se o encontramos, diz Bob.
- Está todo mundo bem lá dentro? - Neil pergunta.
- Está... mais ou menos. Ele atirou num vaso e um estilhaço atingiu o Wagner no rosto.
- Ele está bem?
- Está. Só tem um corte pequeno debaixo do olho, mas não é nada grave. Vai ficar bem. Tomem cuidado.
   Logo que Gart volta para dentro da mansão, Wagner pergunta.
- Encontraram?
- Não. Bob e Neil vão procurá-lo em volta do quarteirão.
- Eu não vou deixar isso barato, não, Gart. Esse cara tem que ser pego! Ele pode machucar alguém se ficar solto por aí.
   Linda, que estava fazendo um curativo no rosto dele, termina de colocar a bandagem e pede.
- Volta pro Brasil, Wagner. Hoje ainda. Você faz sempre isso.
- Você vem comigo?
   Ela fica indecisa e não responde.
- Vem ou não vem? - ele volta a perguntar.
- Ainda não...
   Ele fica um tempo olhando para ela e diz decidido.
- Então eu fico também.


               RETORNO AO PARAÍSO – O CASAMENTO DE BETO LAGE
                                              PARTE 11

                          OBRIGADA POR SONHAR COMIGO!
                                            BOA TARDE!
                         DEUS NOS ABENÇOE A TODOS NÓS!

Velucy
Enviado por Velucy em 11/06/2018
Código do texto: T6361491
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Velucy
São Paulo - São Paulo - Brasil
880 textos (3654 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/06/18 06:25)