Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AMANDA V - PEIXES E SAGITÁRIO: GÊMEOS? V - PARTE 1

                      I – PEIXES E SAGITÁRIO: GÊMEOS?


                          Ao final do expediente, pouco depois das sete da noite, Marco foi levar Rita até o carro e ela recomendou:
- Vai direitinho pra casa, viu?
- Passo o dia inteiro pensando nisso. Meu carro iria sozinho se eu quisesse.
- Que bom! Tchau, amoreco. Até amanhã.
   Trocaram um beijo carinhoso e ela entrou no carro.
- Dá um abraço no professor.
- Não precisa nem mandar, ela disse, colocando o carro em movimento e entrando na avenida.
   Marco aproximou-se do Escort e viu Roni encostado em outro carro, logo ao lado do dele. O rapaz olhava para ele com um sorriso cínico nos lábios. Marco o ignorou e abriu seu carro, entrando nele. Roni aproximou-se pela janela no lado do motorista e bateu no vidro para que ele abrisse. Marco respirou fundo, demorou alguns segundos, mas abriu a janela.
- O que é?
- A Amanda sabe dessa sua vida dupla?
   Marco franziu as sobrancelhas e perguntou:
- Do que você está falando?
- Você e a Rita. Não enganam mais ninguém... priminho. Pelo menos não a mim.
- De onde...? Isso de novo, não. Você ainda está com isso na cabeça, Roni? Vira o disco, cara.
- A sua mulher pode ter se conformado daquela vez, mas não vai gostar de saber que a novelinha romântica dos priminhos continua. Tchauzinho.
   Roni jogou um beijo para ele e se afastou. Marco saiu do Escort e foi atrás dele, segurando-o pela gola da camisa e encostando o rapaz com força no carro do lado.
- Não saquei qual é a tua agora, Roni!
- Mas eu saquei qual é a tua. Ainda quer ter as duas ao mesmo tempo, não é? A gatinha loira e a balzaquiana experiente, vivida... e casada. Deve ser emocionante mesmo. A azaração com a Rita deve ter sido um estouro, eu posso imaginar. Você é um cara de sorte. Consegue enganar a coitadinha da Amanda há tanto tempo que ela já se conformou em ser enteada da rival.
   Marco ficou perplexo com o que ouvia. Soltou Roni aos poucos e riu.
- Você continua obcecado com isso, não é? Eu nunca vi tanta bobagem saindo de uma boca só. Quantas vezes eu vou ter que dizer que eu não tenho nada com a Rita?
- Isso é o que você diz, mas eu sei que vocês dois ficam a tarde na agência depois do expediente fazendo sabe-se lá o quê. Eu não sou criança, Marco. Se tem alguém idiota nessa história são a Amanda e o marido da Rita, seu sogro, que até agora não sacaram qual é a de vocês. Essa de primo e prima muito amigos nunca entrou na minha cabeça. É óbvio que aí tem cama...
   Marco lhe desferiu um soco no rosto que ele caiu no chão.
- Você vai parar com isso, seu idiota. Dizendo ou mesmo pensando nisso você ofende a Rita, meu sogro e a minha inteligência. Você me julga tão burro assim? Você acha que com tanta mulher no mundo, mesmo que eu não amasse minha mulher como amo, eu me envolveria com a mulher do pai dela?
   Ainda deitado no chão, Roni passou a mão pela boca que sangrava e disse:
- Não, burro você não é não, é até muito espertinho. Essa cara de garotão bem intencionado sempre enganou todo mundo. Eu soube que a Amanda está grávida, mas daqui uns meses você nem vai se importar de ficar de jejum por um tempo, não é? Ela tem substituta.
   Marco o segurou pela gola e o levantou, empurrando-o contra o carro novamente.
- Você vai pagar por cada sandice que está dizendo, Roni. Eu juro! Você já tentou me envenenar pra Amanda daquela vez, mas ela já sabe de toda a verdade. Eu mesmo contei a ela o que aconteceu e ela entendeu. Essa estória já morreu, idiota.
- A gente vai ver se morreu mesmo. Você continua trabalhando aqui e ao lado da sua priminha. É muita proximidade e muito chamego rolando. A tentação é grande, não é não? A Rita continua mais gostosa que antes. Eu não resistiria. Ainda mais se já houve uma primeira vez. Eu sei que você é humano, apesar dessa casca de... “deus grego”, como a Gini diz.
- Cala a boca! - Marco disse, empurrando Roni contra o carro. – Sai daqui!
   Roni abriu a porta do carro e entrou nele, sorrindo.
- Espera... A história ainda não acabou.
   Marco ficou olhando o carro se afastar e colocou as mãos na cintura, com a respiração alterada. Foi para o Escort e saiu também.

   Chegando em casa, Marco procurou por Amanda na cozinha, mas ela não estava. A mesa estava posta e tudo estava pronto para jantarem. Ele foi até o quarto e a viu sentada na escrivaninha, estudando. Ela estava de costas e não o viu. Marco voltou para a sala e ligou a televisão, aumentando o volume para que ela ouvisse. Amanda foi até lá.
- Oi! Chegou agora? - ela perguntou, indo beijá-lo.
- Cheguei e te vi lá no quarto.
- Você entrou lá?
- Não. Te vi da porta e, como você estava distraída, fiquei com medo de te assustar e vim fazer barulho aqui.
  Ela sorriu e envolveu seu pescoço com um abraço.
- Estava com saudade...
- Eu também.
   Amanda percebeu que ele estava diferente.
- Está cansado? Estou te achando abatido...
- Estou morto... Vou tomar um banho e a gente janta.
- Já está tudo pronto na cozinha. Enquanto isso, vou continuar estudando. Tenho prova amanhã cedo.
- Vai, depois eu te ajudo.


                              PEIXES E SAGITÁRIO: GÊMEOS?
                                                 PARTE I

                                 DEUS ABENÇOE A TODOS NÓS
             SEJAMOS, TODOS, LUZES NA ÁRVORE DE NATAL DO CRISTO!
                      UM NATAL REPLETO DE RESPEITO A TODOS!

Velucy
Enviado por Velucy em 18/12/2018
Código do texto: T6529775
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Velucy
São Paulo - São Paulo - Brasil
1385 textos (8185 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/02/19 13:02)