Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Q. B. - NOS CALCANHARES DO VENTO - PARTE 1

                                  VII - NOS CALCANHARES DO VENTO

     ”I’m a page on the end of a story
       (Sou uma página no final da estória)
                  No closer to my hope and glory
                   (Nada mais perto da minha esperança e glória)
                               Just a kick away from the heels of the wind”
                               (Só um chute pra longe dos calcanhares do vento)

                           (Heels of the wind - do álbum "The Fox" de 1981)


                            Durante sua estadia nos Estados Unidos para concluir seus acertos com a MCA, Elton também passou por Los Angeles, pelos escritórios da Geffen Records, e aproveitou para descansar por dois dias em sua casa californiana, antes de voltar novamente para a Europa, pois teria que se apresentar em alguns programas de rádio e TV alemães, após o lançamento do álbum na América, no dia 22 de maio, mesma data do aniversário de Bernie.
  Na noite do dia 21, Elton resolveu fazer pessoalmente, aquilo que havia prometido a Bernie fazer por telefone: desejar-lhe Feliz Aniversário pelos trinta e um anos.
  A visita não causou espanto ao letrista, que sabia que ela estava na América. Ao ver, de sua varanda o carro de Elton entrar pelo portão da propriedade, foi recebê-lo de perto e ao apertarem-se as mãos, falou:
- Eu podia fazer você voltar pra lá e cumprir o que me prometeu!
- Não tenho culpa se estou de casa nova e marcaram o lançamento pra amanhã! Ano que vem eu faço o que prometi.
  Entraram na casa. Bernie falou:
- Falei com o David ontem. Ele me disse que não sabe se tem sorte ou se isso que está acontecendo com ele é destino.
- Isso o quê? - Elton perguntou, tirando várias folhas de papel sobre o sofá e sentando-se nele.
- Contratar você, pouco tempo depois de perder o John de modo tão trágico. Ele disse que, se acreditasse em espíritos, diria que o John abriu o caminho pra você,
 - Nossa! Me arrepiei todo, falou Elton esfregando os braços, sentindo uma sensação estranha. - Se ele me amava tanto quanto eu o amo ainda, pode até ser... Ele está sempre comigo.
- Acredito, falou Bernie, passando por ele e começando a reunir as folhas no tapete, no sofá e as que Elton havia pegado.
- Sério? - Elton perguntou, procurando ajudá-lo. - Que foi que você andou fazendo aqui?
- Nada... Estava tentando colocar em ordem outro livro que eu estou escrevendo... Mas eu acho que as coisas que o Geffen falou têm muito a ver com você. Lennon tinha muito carinho por você e de certa forma, ele te ajuda.
   Elton parou de recolher as folhas e ficou olhando para o amigo, como a ver outra pessoa. Bernie ajoelhou-se no tapete, começando a juntar as folhas sobre a mesa no centro da sala. Ao sentir-se observado, olhou para Elton.
- Que foi?
- Você pensa mesmo assim?
  Bernie levantou-se e sorriu.
- Não tem nada de fantástico no que eu disse, cara. Gente como Lennon, Marc Bolan, são tipos de pessoas que não morrem quando os médicos dizem que o coração e o cérebro deles pararam. Você deve concordar com isso. Pelo que Lennon foi, na terra, ele não pode ter sumido no cosmos e fim.
  Elton balançou a cabeça devagar, concordando.
- Pois é... Me entrega essas aí? Senta!
  Entregou as folhas a ele, ainda pensativo. Bernie as reuniu com as outras que tinha na mão e colocou todas juntas numa pasta preta sobre o sofá.
- Pois é... o quê? - Elton perguntou.
  Bernie colocou as mãos na cintura e finalizou:
- É isso... John está, de alguma forma, fazendo alguma coisa por você.
- Nunca te ouvi falar assim...
  O letrista sorriu.
- Você podia passar alguns dias morando aqui em casa, não podia?
- Quê?
- Estou brincando... Mas tem muita coisa que você esqueceu sobre mim. Você não me disse, em dezembro passado que... tinha a impressão de que a qualquer momento, ele apareceria na sua frente e tudo voltaria a ser como antes. Que a morte dele teria sido uma mentira, uma brincadeira de mau gosto promocional, como nos boatos na morte do MacCartney?
   Elton confirmou mais uma vez, balançando a cabeça.                                  - Era o meu sonho também... mas todo mundo sabe que isso não vai acontecer nunca e que ele fisicamente está realmente morto, transformado em cinzas. E que a única coisa que a gente pode fazer... é não deixar que a máfia que acabou com ele acabe com a gente também. E eles tentaram acabar com você... Geffen é o seu anjo humano, Lennon é o seu anjo no cosmos...


                       NOS CALCANHARES DO VENTO - CAPÍTULO VII
                                                  CONTINUA...

                                                    PARTE 1


Velucy
Enviado por Velucy em 23/04/2019
Reeditado em 23/04/2019
Código do texto: T6630185
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Velucy
São Paulo - São Paulo - Brasil
1525 textos (9108 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/05/19 12:07)