Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uma Rosa para Berlim 4

Andamos apressadamente por uma trilha no mato que Érika parece conhecer e saber para onde vai pois, segue tranquila e sabe se esquivar dos obstáculos.
- Para onde Vamos?
- Vou até a casa de uma supervisora da liga feminina!
-Está louca ? - pergunto tocando ela no ombro direito - vamos ser presas.
-Carla não vai nos entregar!- disse Érika virando-se para mim- está nas
mãos de Rudolf e, tudo o que desejaria era a morte dele - anda devagar.-
vou te explicar o porquê!
Ando bem próxima dela bem antenta no que fala .
- Carla foi menina de rua e saiu dela graças ao Rudolf . Daí ele passou a se aproveitar dela. Passou a explorar os serviços dela em troca de uma
vida melhor. E ela por sua vez, começou a se relacionar com os oficiais
e começou a desviar dinheiro da liga . Rudolf mandou fotografar e armou
testemunhas e colocou ela nas mãos dele.
- Que serviço ela fazia que beneficiava Rudolf?- perguntei intrigada.
- Ele fazia com que ela se entregasse a quem ele queria . E assim ele era
o favorito dos oficiais. O amigão! E ela ganhou o cargo de surpervisora .
- E quantos anos ela tem ?
-18 anos ! Fará 19 no meio do ano!
- Bem vagabunda! Devia ir para a cama com Rudolf também!
- Claro ! - Fala Érika dando uma gargalhada - na verdade, eu , você e ela
agora somos viúvas do mesmo homem ! - E gargalhada com vontade.
Que homem mais filho da puta! Peno eu deixando ela rir gostosamente.
- Estamos chegando ! Disse Érika parando ao lado de uma auto-estrada-
Aquela casa lá - e aponta uma casa simples ao lado de uma quitanda em
Um vilarejo próximo. Este local fica na periferia de Berlim - e tem uma ...-
Cala-se ao ver um militar sair da modesta casa . Este saúda o comerciante
e entra na viatura.- a safada estava em atividade ! ....
- Melhor esperarmos um pouco ...-  Vejo Érika aproveitar um vazio no
trânsito e atravessar . Faço o mesmo. Ela não me ouve e acena para o
comerciante e vai batendo palmas no portão da supervisora.
- Carla .... sou eu ! Érika! Pode me atender ?
E a porta se abre aparecendo uma jovem loira de cerca de 1,68 metro de
altura e pele clara. Corpo bem modelado . Eu já estive perto dela mas ,
sempre a vi de roupas sóbrias. Nunca tinha visto ela de roupas íntimas.
- O quê veio fazer aqui e ainda acompanhada de Nina Schäffer?
- Vim te dizer que estamos viúvas !
-Que fala você? O quê aconteceu?- vejo preocupação no rosto dela .
- Ficou triste? Conta outra! - disse Érika em tom sarcástico.
-  Entrem , por favor ! E me conte tudo .- e abre caminho fazendo sinal
para entrarmos. Depois fecha a porta . E vejo uma bela sala com mobília
caríssima. Bar com wiske e muito vinho . É champanhe aberta . 3 taças
sujas na mesa e uma calcinha pequena perto do copo de wiske que ainda
tem grande parte da bebida.
-Me explica o quê está acontecendo!- ordenou ela com ar preocupado.
-Rudolf faleceu em uma troca de tiros.
-Estou ferrada !- disse ela em tom de medo.
- Como assim?- perguntou Érika espantada . Eu as observo .
- Sente-se! - disse ela gesticulando. Nós obedecemos - Eu fiz muitas das
chamadas : desvio de verbas da liga . Rudolf disse que tinha feito uma
armação na qual se , caso ele morresse,acontecendo algo com ele ... os
documentos deveriam ser entregues às autoridades.- olha para mim - seu
pai consta no dossiê e vai ser preso.... e eu também! Nós três vamos ser
excluídas de imediato.
Penso no meu pai e fico preocupada. Olho para Érika com as mãos cobrin
do o rosto. Parece pálida com tudo isso.
- Queria um bom futuro para mim ...
- Vou procurar meu pai !- falo me levantando - precisamos sair fora do ...
-Vou com você!- disse Carla me olhando - ele pode me dar guarida.
- Eu também!- disse Érika se levantando - vamos para a Holanda !
- E eu? Faço o quê? - ouço uma voz feminina vindo do corredor . Me viro
e vejo uma pequena garota branquinha e de cabelos amarelos entrar na
sala - não vão me deixar aqui para os lobos - Ela tem cerca de 1,55 metro
de altura e está de saia curta azul e com o torso nu . Seios grandes ao
vento - Estou com vocês! - e estende a mão para mim em cumprimento -
Karoline Model ! - retribuo e aperto a mão dela .
- Nina Schäffer Kohl! - e ela me abraça.
- Eu sou Carla Grabner ! - disse Carla me olhando.
-Se temos que fazer algo tem que ser rápido! - falo olhando para Érika.
- Negativo! - disse Karoline se sentando - temos que nos organizar antes
de agirmos! Não temos nenhuma noção da situação.- me olhando - tem?
- Não! - disse Érika me olhando - além do mais estou com muita fome !
- Quem matou o desgraçado? - perguntou Karoline se levantando - ele
mereceu a morte!... vou tomar banho e ...- nos olha com olhar de nojo-
Estavam no mato ? Com quem ? - aponta a perna de Érika com líquido
viscoso e transparente - as duas ao mesmo tempo?
- Estávamos fugindo! - falo olhando-a com ar de reprovação- nos pegaram
e ... fizeram uma troca...- sorrio - deitamos com eles e nos deixaram em
paz ! Só isso !
- Somos todas iguais! - disse Karoline em tom de sarcasmo - todas putas!
- Ao banho, meninas! - disse -e rápido ! E se alimentem... podemos tomar
banho juntas ! O banheiro é grande . Espaçoso e vai nos poupar tempo !
E assim fazemos: As quatro no banheiro. Depois me alivio no vaso e volto
para o chuveiro. Érika faz o mesmo em outro vaso. Depois nos vestimos e
vamos comer algo . Vejo frutas e como. Érika ataca um frango assado.
Comemos e bebemos à vontade . Depois arranjo pasta de dente e escova
e faço minha higiene bucal. Todas fazem o mesmo e depois nos deitamos
em uma bela cama de casal . Estou exausta, apesar da preocupação com
minha família.
Maria Alizée e Jose Maria
Enviado por Maria Alizée em 14/06/2020
Código do texto: T6976852
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre a autora
Maria Alizée
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
24 textos (255 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/08/20 18:15)
Maria Alizée