Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MANDY II - NINHO (1989) - PARTE 1

                                      I – NINHO (1989)
                                         
                      O Escort prata parou diante da casa da Angra dos Reis. Marco buzinou duas vezes, saiu do carro e apoiou-se nele, tirou os óculos escuros e esperou por Amanda. Dalva apareceu na janela.
- Ela já está indo. Não quer entrar um pouco?
- Não, hoje não, Dalva. O professor está?
- Não. Ele saiu às sete.
   Amanda apareceu na janela ao lado dela e lhe deu um beijo no rosto.
- Tchau, Dalva.
- Tchau, querida, bom passeio!
- Obrigada!
   A moça desapareceu, indo aparecer logo depois na porta da casa e indo para perto dele. Ele envolveu sua cintura e eles trocaram um beijo apaixonado. Ela perguntou:
- Por que você veio de carro, hoje? A bicicleta não é mais prática?
- Nós não vamos pro clube.
- Não? E vamos pra onde?
- Vou levar você pra ver o apartamento, ele disse, abrindo a porta do carro para ela entrar.
- Jura?!
- Você não me pediu isso a semana toda?
   Ela o beijou no rosto, animada.
- Só não te levei ontem à noite, porque minha mãe passou mal e eu fui com meu pai levá-la pro hospital.
- Sério? O bebê está bem?
- Está. Só que ela vai ter que ficar os próximos cinco meses de molho e não fazer mais nada a não ser esperar. Repouso absoluto, ordens médicas.
- Nossa! Será que ela aguenta? Ela é uma mulher tão disposta...
   Marco riu e entrou no carro, colocando-o em movimento.
- O pior é que não. Hoje de manhã, já estava de pé às oito. O papai fica maluco com ela. Ele quer contratar uma empregada, mas ela não quer. Diz que quem cuida da casa dela e de nós, é só ela. O velho ameaçou nunca mais trocar de roupa nem comer.
   Os dois riram. Depois de um curto silêncio, Amanda encostou a cabeça na mão apoiada no banco e perguntou, olhando para ele:
- Será que esse bebê vai se parecer com você?
   Marco sorriu, sem olhar para ela, prestando atenção no caminho.
- Sei lá... Não é mais fácil pensar que ele vai ter cara de bebê mesmo?
- Você entendeu. Todo bebê parece com alguém quando nasce, nem que seja bem de longe.
- Eu queria mais é saber se vai ser menino ou menina.
- Sua mãe já fez o ultrassom?
- Já, mas eles não querem me dizer o sexo.
- Por quê?
- Não querem e não vão dizer pra ninguém. Dizem que vai ser surpresa, principalmente pra mim.
- Mas por quê?
- Coisa do meu pai. Ele diz que eu enchi tanto o saco dele pra ter um irmão ou uma irmã que agora quer me deixar no suspense até julho.
- ‘Tadinho! - ela falou, passando a mão pelo rosto dele.
   Marco riu e pegou a mão dela.
- Estou mais curioso em saber como vai se parecer o nosso.
   Amanda sorriu e ficou em silêncio, pensativa. Ele olhou para ela por um instante e insistiu:
- Você não está?
- Isso está tão longe ainda, amor...
- É... Mas o futuro chega antes do que a gente imagina... ele disse, beijando a mão dela.

   Amanda encostou a cabeça no ombro dele e fechou os olhos, suspirando muito levemente.

   Quando o carro parou num cruzamento da Avenida Santo Amaro, Marco viu o Fusca de Teo parado também.
- Olha o Teo ali...
- É... ela disse, erguendo a cabeça. - Você já fez as pazes com ele?
- Não. Não encontro com ele faz um tempo. Soube que ele está trabalhando também. Conseguiu entrar no Itaú, aí mesmo na Adolpho Pinheiro.
- Que legal!
   Teo os viu também, mas não demorou o olhar que lançou para Marco. De certa forma sentia-se ainda envergonhado pelo vexame que tinha dado no baile de formatura deles. Marco acenou e pediu que ele encostasse na próxima esquina. Quando o farol abriu, ele o fez. O Escort parou logo atrás do Fusca e Marco e Amanda saíram do carro. Aproximaram-se dele.
- Oi! - disseram os dois.
- Oi... respondeu o rapaz, meio hesitante.
- Tudo bem?
- Indo... Você ainda está bolado comigo?
- Eu saí do carro justamente pra vir te bater aqui no meio da rua, Marco falou, sério. - Sai do carro. Não dá pra fazer isso com você aí dentro.
   Teo não se mexeu. Olhou para Amanda e perguntou:
- Ele está brincando, não é?
   Amanda segurou o braço do namorado e escondeu o rosto no ombro dele para não rir.



                                      NINHO (1989)
                                             PARTE I

                         DEUS ESTÁ EM TODAS AS COISAS
           OBRIGADA PELA COMPANHIA E QUE ELE LHES DÊ UM BOM DIA!

                            2021 ESTÁ CRESCENDO TAMBÉM!

                             PAZ, LUZ, ALEGRIA E HARMONIA
                          SAÚDE E MUITAS BÊNÇÃOS A TODOS

                    ESPERANÇA E CONFIANÇA NO FUTURO SEMPRE!

                 SONHAR FAZ PARTE DO CRESCER E AINDA É DE GRAÇA!

Velucy
Enviado por Velucy em 12/01/2021
Código do texto: T7157729
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Velucy
São Paulo - São Paulo - Brasil
2143 textos (15636 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/01/21 04:51)