Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Giro sem fim

“Ouça: respeite mesmo o que é ruim em você
 - respeite sobretudo o que imagina que é ruim em você –
 não copie uma pessoa ideal, copie você mesma
- é esse seu único meio de viver. Juro por Deus que,
se houvesse um céu, uma pessoa que se sacrificou
por covardia ia ser punida e iria
para um inferno qualquer.
Pegue para você o que lhe pertence,
e o que lhe pertence é tudo o que sua vida exige.”
- Clarice Lispector –


Não sei se vou ou se venho, o que sou, o que quero, por quais caminhos marco meus passos, por quantos sonhos me achei e me perdi. Quantos foram os anos de minha vida e por quais paraísos passei.
Sonho meus sonhos tão meus, refaço meus caminhos e marco outros passos que em passados não me mostram a direção ou o sentido que dobra esquinas que nunca enxerguei.
Água e fogo, mel e paixão. Amores de mim na vida breve que um dia desenhei.
Canto meu canto no escuro das dores insanas que na sobriedade dizem da louca que partiu nas asas que o vento abraçou. E voou livre dos medos que acorrentavam os anseios e a busca de uma liberdade que nunca encontrou... Pobres mortais! Mal vistos por cegos enganos nas verdades que nunca contou. Pobres mortais! Gritam em desespero presos à cólera de algum deus severo que nunca os amou... Tristes olhos na face abatida que suas guerras não lutou e desejou por suas vidas outras em despedidas que ficou.
Chegada e partida. Vida e morte. Luto!
Gira a roda que nunca parou. A grande roda que tudo guardou... Gira em sua dança sob o ópio que nada vê, sente ou quer, a não ser girar e girar e girar solta desenhando o mundo que pende num universo qualquer. Dança a mulher à espera do amado que nunca virá, dança na roda que gira marcando o compasso que quer e na dança, a dor desenhada sob os pés que nunca tocaram meu chão. Por onde anda a ilusão? Passado o presente, chega o futuro ansioso pelo que nunca contou e conta as lágrimas perdidas na face que o beijo marcou. E marca o tempo que no relógio parou, marca a história que a vida não finalizou, marca no palco a peça que nunca estreou, marca o sonho do artista que nunca encenou... E gira, gira, gira no palco a vida que sem vida, silenciou...
Morte... O que será a morte senão o início daquilo que não terminou, ou o outro lado de um caminho que algum destino desenhou. Será de alegria o riso que o corpo abafou ou apenas os sentidos no ledo engano de outro amor que se foi?
Grita a roda no giro das horas que não alcançará seu fim! Grita em sons abafados por lufadas de ventos os lábios que a noite beijou. Grita também a boca que um dia a vida profanou à espera da morte que nunca alcançou.
Sete passos entre o céu e o inferno de mim. Sete marcos entre o começo e o fim. Sete vezes sete os anos que trago e entrego ao rufar de algum mandarim. Sete vidas em sete planos de alguma dinastia e assim, chego ao que sou, plena da sabedoria que nunca conheci.
Por vezes chorei e de minhas lágrimas vi brotarem as flores que a outro corpo ofereci e em seu perfume sonhei as lembranças de tempos que um dia contei e cantei meu canto em dó girando a roda que gira e gira e gira sem nunca parar.
E gira a roda que mata a vida e revive a morte no grande ciclo que não pode parar...
Aisha
Enviado por Aisha em 01/11/2013
Código do texto: T4552614
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Aisha
Jundiaí - São Paulo - Brasil, 53 anos
791 textos (36780 leituras)
1 e-livros (57 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/19 17:12)
Aisha