Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Voltando ao mundo virtual...

Quanto tempo não escrevo aqui, não é? Tempo de decepção? - Não. Introspecção? - Talvez. Independente do que seja, foi bom ficar um pouco esparso disso.
Poucas coisas mudaram por aqui, continuo vendo conflitos supérfluos, gritos estrondosos que ecoam ao nada, rumo à um paradoxo conflito com o espelho virtual. E parece que alguns fanatismos estão só esperando a catálise para literalmente explodir. Não que eu seja especialista, aliás, nem precisa ter título para ser doutor aqui - tal premissa já virou argumento clichê...
Inquieta ver a forma como as "atuais" bandeiras estão sendo levantadas. A polarização agressiva que trilha rumo ao fascismo e a tentativa de suplantar de forma compulsória o livre-arbítrio, a opinião expressa que é execrada com réplica de "noite da agonia" e tréplica de "noite das garrafadas"...
Esse é o nosso país, ou é a nossa contemporaneidade? Não sei. E por mais que seja repetitivo, o único que sabia da sua incapacidade de ser a luz da humanidade - e acabou sendo -, dizia que sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância, o famoso "só sei que nada sei", mas, hoje... Dizer isso é ser o mais completo ignorante. Numa existência que te cobra respostas certas - mesmo não existindo uma única verdade -, numa realidade que vive angustiada querendo impor suas "certezas" aos que não tiveram escolha e foram coagidos a aceitar. Na sorte, uns alcançaram o esclarecimento. No azar, outros propagam a falácia distribuída por grupos formadores de "opinião".
A única coisa que sei é que não acredito no que não processo racionalmente. E inclusive nessa última possibilidade, deixo um espaço para duvidar até das minhas conclusões. Não dá para ter tantas certezas num lugar em que não sei nem o porquê existo... Não dá para não questionar. Não consigo crer que ainda é preciso dizer à uma nação que o único caminho para combater a ignorância é pela via da educação. Espera... Por qual motivo o óbvio não é aplicado? A resposta é fácil... Vou deixar vocês refletirem (riso retórico).
Alexandre Alves Porfirio Vieira
Enviado por Alexandre Alves Porfirio Vieira em 04/07/2018
Código do texto: T6381055
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alexandre Alves Porfirio Vieira
Santo André - São Paulo - Brasil, 28 anos
57 textos (2319 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/11/19 18:24)
Alexandre Alves Porfirio Vieira