Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A VIDA... E A MORTE

     A semente a morrer... no âmago da terra
   Daquela que nela se cava... e nela s'enterra...
      Sê-la-ia... a terra... um cemitério?

     A planta a nascer... também... no âmago da fértil terra
 E nela vede a s'erguer... ainda que lenta... morosa... calma...
      Sê-la-ia... a terra... uma maternidade?

  Mas, se na planta habita a semente em su'essência,
      [faz-se óbvio... qu'ela não morreu
   Ved'então qu'ela... apenas ali... s'escondeu?
 Qual crepuscular estrela d'uma hora a brilhar... n'outro canto da terra
       Milagrosa simbiose?
  Quem saberia dizer?

    Oh! Quem aqui se lembrará dos espasmos derradeiros... a que virá?
  Das tristes horas do exílio a que não mais existirão!
      D'alma naquel'hora a s'embriagar aos sons dos acordes da morte
  Porém, seria tal, em verdade, somente "privilégio" dos "encarnados"?
         (Ou só dos animais?)

   Ai! Quão tortura para mim a se ouvir que as plantas não têm alma!
    (Pelas bocas que se orgulham em dizer que só elas é que têm!)
 E, d'onde, pois é que vêm a mística e literal beleza que as envolve?
  Ou tal formosura só então existe no cérebro dos que têm alma?
    (Do enfermo Homem... no tempo, às vezes, tão desalmado!)

       A vida... e a morte!
    A morte... e a vida!
 Porém, por que este "e", como a se crer que separadas s'estão?

       A vida... ou a morte!
  A morte... ou a vida!
   Mas, por que este "ou" como s'elas fossem... diversas ou alternadas?

      Ao que, talvez melhor se diria:
  "Assim na vida... como na morte!"
     "Assim na morte... como na vida!"
     Pelo que se unem... qual n'uma mística ponte...

     Vida e morte de mãos dadas... a caminhar... no tempo
  Insondável e misterioso ser,
    [no que transcende o restrito e obnubilado entender

   A vida... que sempre nele se houve... (no tempo... e no infinito)
     A morte... que não existe... nem jamais s'existiu
   Porém, que tanto incomoda os que creem s'estar... vivos!
       (Será mesmo qu'estão?)

         Morte!
   Certamente... apenas um nome
     A dar-se pela forma que os limitados sentidos... não vêem
 (Não com os biológicos olhos que a terra há e sempre haverá de comer)



                           ************************

                               17 de outubro de 2019



Paulo da Cruz
Enviado por Paulo da Cruz em 17/10/2019
Código do texto: T6772018
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo da Cruz
Curvelo - Minas Gerais - Brasil
2038 textos (33157 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/11/19 23:45)
Paulo da Cruz