Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A VITÓRIA DO CRISTIANISMO

Uma das grandes frustrações da Humanidade é não conhecer a sua própria história desde o seu início, pois somente a evolução, lenta e progressivamente, foi lhe conferindo a capacidade de produzir os registros que foram transmitidos através das sucessivas gerações. No tocante ao Cristianismo, habitualmente considera-se o seu surgimento a partir do próprio Cristo, manifestado por meio dos Profetas primitivos, cuja vinda, através do Espírito Santo, já era anunciada no Velho Testamento. Considera-se como o mais antigo Profeta, Samuel, nascido no século XI a.C., filho de Ana e Elcana, como sendo o primeiro dos Profetas após Moisés, porém, a predição sobre a vinda de Cristo se fez por meio de vários Profetas, como Isaías 7:14 - 50:6 e 53:3,7 / Miquéias 5:2 / Zacarias 9:9 e 12:10 / Salmos 22:16,18, entre outras referências.

Comumente se comete um equívoco, associando-se o Cristianismo com a denominação teológica católica apostólica romana, que logo em seguida à vacância dos profetas primitivos, organizou e assumiu a exploração comercial e política da doutrina cristã, sendo oficializada em 313 d.C. pelo Edito de Milão, essa empresa, no decurso do tempo tornou-se a mais rica e poderosa instituição da face da terra, e no texto [O Poder da Denominação Teológica] encontra-se a exposição das suas riquezas, esclarecendo onde se encontra o “triunfo” do “pseudo cristianismo”. O maior benefício que se lhe pode atribuir, é o fato de manter as ovelhas humildes e subnutridas, envolvidas pelas fábulas e genealogias, que ajudam a mantê-las reunidas e mais moderadas com relação aos seus instintos primitivos, tendentes a desvios sociais mais inconvenientes, embora o real objetivo, atualmente, seja de caráter político, pois o financeiro já está firmemente consolidado. Mas, no devido tempo, esse castelo de cartas, envolvendo todas as congêneres, desabará; “... ai de vós escribas e fariseus hipócritas” (Mateus 23). Quem viver, verá.

A vitória do Cristianismo, evidentemente, não provém das denominações teológicas, cuja vitória é política e financeira, mas sim das inspirações espirituais dos Profetas e dos seus verdadeiros seguidores, os quais não estiveram e não estão vinculados a instituições humanas, mas diretamente conectados com o Espírito de Deus, sem nenhum tipo de intermediários, dos quais não há nenhuma necessidade, pois o que realmente interessa, a salvação, está na Doutrina da Graça, que ao lado da venda de indulgências e orgias internas, foi o estopim da Reforma proposta por Lutero, mas que também foi descartada pelos reformadores, que se incorporaram aos mesmos métodos e objetivos da instituição da qual se originaram.

Atualmente, observa-se a confusão de muitos cristãos históricos, “pulando de galho em galho” pelas denominações teológicas, em busca da verdadeira evolução espiritual, dos quais, os mais decepcionados, acabam desistindo e ou se alinhando com os descrentes, cansados de aprender somente a preencher boletos bancários.

Com efeito, o maior triunfo das denominações teológicas, foi o de proporcionar uma maciça evasão de cristãos históricos para o batalhão de agnósticos e ateus, especialmente os melhores nutridos intelectualmente, que mais facilmente perceberam as manipulações sofistas da teologia, o que se percebe nitidamente nos países mais desenvolvidos, onde a fé desapareceu. A salvo da voracidade dessa matilha de lobos, estão os agraciados com o conhecimento de Deus, que lhes permite identificar com facilidade as sutilezas dos tais, pois o conhecimento, ao mesmo tempo que incorpora a fé, e anula a necessidade de acreditar, impossibilita também que os seus possuidores sejam enganados facilmente.
 
No âmbito espiritual, as convicções obtidas pela concessão dos insights espirituais são definitivas e irrevogáveis (Romanos 11:29), enquanto que as convicções formadas pelo desenvolvimento intelectual são, e devem ser mutáveis, conforme a evolução racional do ser humano, que o acompanha até o seu último momento de lucidez. Assim, conforme as circunstâncias individuais, os chamados racionalistas poderão emigrar para a espiritualidade mais desenvolvida, aproximando-se do limite da concessão da Graça, enquanto que os que lá já se encontram, acolhidos pela Graça Divina, não têm a menor pretensão de sair, pois eles estão mergulhados no êxtase espiritual do conhecimento de Deus.

Para se ter uma ideia do “triunfo” da denominação teológica, e não do Cristianismo, vamos observar o seu patrimônio, conforme a publicação da Revista “Veja”, que foi objeto do texto anteriormente publicado no Recanto das Letras.

O Poder da Denominação Teológica:
“Muito além da herança espiritual” – O Vaticano tem um braço, o APSA, sigla em italiano para Amministrazione del Patrimonio della Sede Apostolica, apenas para gerir a sua fortuna visível neste mundo. A Igreja Católica também conta com uma rede de escolas, hospitais e financiadores privados para manter suas atividades – e assegurar sua riqueza.

1 milhão de imóveis são de propriedade do Vaticano.

2 trilhões de euros é quanto valem os imóveis da Santa Sé ao redor do Planeta.

1 trilhão de euros é o valor dos imóveis localizados apenas na Itália.

Só em Roma, a Igreja tem um patrimônio avaliado em 9 bilhões de euros

20% do patrimônio de imóveis italianos pertence ao Vaticano

• Existem 125.000 hospitais e centros de assistência ligados à Igreja em todo o mundo.
• O total de escolas católicas nos cinco continentes é de 206.982, com 55 milhões de estudantes.
• Países como Alemanha, Áustria e alguns cantões suíços recolhem, por meio do estado, impostos específicos de cidadãos católicos, repassados às igrejas locais.
• O maior financiador privado do Vaticano é a organização americana Cavaleiros de Colombo, fundada em 1882, que mantém uma seguradora cujos ativos estão na casa dos 16 bilhões de dólares.
• Desde que foi criado, em 1981, o Fundo Vicarius Christi, da Cavaleiros de Colombo, amealhou 35 milhões de dólares apenas para as obras caritativas do papa.

Instituto para as Obras de Religião (IOR) – o banco central da Santa Sé

Oficialmente, as transações financeiras do Vaticano não são controladas pela Cúria, apesar de cinco cardeais pertencerem à “Comissão de Vigilância” da organização. Entre eles, o ex-secretário de Estado Tarcísio Bertone e o brasileiro Odílio Scherer. Recentemente, o IOR foi acusado de lavagem de dinheiro.

• Presidente: o advogado alemão Ernst von Freyberg, nomeado em fevereiro por Bento XVI.
(Fonte: Revista Veja de 13 de março de 2013)

A Humanidade, na esfera racional, evoluiu extraordinariamente no século XX, mas essa evolução, paradoxalmente, provocou a involução espiritual, como que embriagando os seres humanos com os avanços tecnológicos, mediante o auto isolamento dos indivíduos, mergulhados na solidão eletrônica, que substituiu o corpo-a-corpo do inter-relacionamento social.

Deus não levou em conta os tempos da ignorância, mas agora ordena que todos os homens, em todos os lugares, se arrependam; porque determinou um dia em que julgará o mundo com justiça, por meio do homem que para isso estabeleceu. E isso ele garantiu a todos ao ressuscitá-lo dentre os mortos. (Atos 17:30,31)
Edgar Alexandroni
Enviado por Edgar Alexandroni em 19/11/2019
Código do texto: T6798493
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Sobre o autor
Edgar Alexandroni
Santo André - São Paulo - Brasil, 80 anos
222 textos (11944 leituras)
1 e-livros (214 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/01/20 12:50)