Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Um ex-escravo dono de escravo, no Capítulo LXVIII de Memórias Póstumas de Brás Cubas

No capítulo LXVIII, o Vergalho, de Memórias Póstumas de Brás Cubas, Machado de Assis descreve uma cena inusitada, que colide frontalmente com o discurso esquerdista-progressista, politicamente correto: um negro alforriado, Prudêncio, numa praça, vergasta um negro, seu escravo. Para não dizerem que minto, reproduzo o capítulo:

Tais eram as reflexões que eu vinha fazendo, por aquele Valongo fora, logo depois de ver e ajustar a casa. Interrompeu-mas um ajuntamento; era um preto que vergalhava outro na praça. O outro não se atrevia a fugir; gemia somente estas únicas palavras: – "Não, perdão, meu senhor; meu senhor, perdão!" Mas o primeiro não fazia caso, e, a cada súplica, respondia com uma vergalhada nova.
 – Toma, diabo! dizia ele; toma mais perdão, bêbado!
 – Meu senhor! gemia o outro.
 – Cala a boca, besta! replicava o vergalho.
 Parei, olhei... justos céus! Quem havia de ser o do vergalho? Nada menos que o meu moleque Prudêncio – o que meu pai libertara alguns anos antes. Cheguei-me; ele deteve-se logo e pediu-me a bênção;
perguntei-lhe se aquele preto era escravo dele.
 – E, sim, nhonhô.
 – Fez-te alguma coisa?
 – É um vadio e um bêbado muito grande. Ainda hoje deixei ele na quitanda, enquanto eu ia lá
embaixo na cidade, e ele deixou a quitanda para ir na venda beber.
 – Está bom, perdoa-lhe, disse eu.
 – Pois não, nhonhô manda, não pede. Entra para casa, bêbado!
 Saí do grupo, que me olhava espantado e cochichava as suas conjeturas. Segui caminho, a cavar cá dentro uma infinidade de reflexões, que sinto haver inteiramente perdido; aliás, seria matéria para um bom capítulo, e talvez alegre. Eu gosto dos capítulos alegres; é o meu fraco. Exteriormente, era torvo o episódio do Valongo; mas só exteriormente. Logo que meti mais dentro a faca do raciocínio achei-lhe um miolo gaiato, fino e até profundo. Era um modo que o Prudêncio tinha de se desfazer das pancadas recebidas, – transmitindo-as a outro. Eu, em criança, montava-o, punha-lhe um freio na boca, e desancava-o sem compaixão; ele gemia e sofria. Agora, porém, que era livre, dispunha de si mesmo, dos braços, das pernas, podia trabalhar, folgar, dormir, desagrilhoado da antiga condição, agora é que ele se desbancava: comprou um escravo, e ia-lhe pagando, com alto juro, as quantias que de mim recebera. Vejam as sutilezas do maroto!
*
Nota:
Machado de Assis era um escritor consciencioso. Descreveu um traço da realidade brasileira do período retratado. E ninguém há de dizer que ele fantasiou tal cena.  
Ilustre Desconhecido
Enviado por Ilustre Desconhecido em 20/11/2019
Código do texto: T6799674
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Ilustre Desconhecido
Pindamonhangaba - São Paulo - Brasil
671 textos (9925 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/01/20 17:42)