Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Certo

Nunca me disseram que lágrimas era sinônimo de dor
Nunca me avisaram que os pássaros nasceram sem penas
E eu precisei ver que tudo se transforma pra entender que eu mudei
E se eu não percebesse a tempo seria mais uma queda livre no ar

Me falaram de felicidade mas nunca me deram o sentido exato da palavra
Me falaram de traição e de quanto a ferida dela era incicatrizável
Me contaram das maravilhas do mundo mas nunca as vi de perto
E se não me contassem tantas mentiras talvez eu fosse mais sincero

Nunca me disseram o que era certo apesar de exigirem isso de mim
Sempre me cobraram pelo que eu não devia e me tiraram tudo
E se eu fosse contar as vezes que precisei chorar pra ser ouvido
Eu iria primeiro contar quantas nascentes de rio procederam de mim

Porque a vida é falha igual as pessoas e tudo que você vê na verdade é ligeiramente corrupto
E ninguém faz o que exige e ninguém exige o que faz e assim continuamos
Nessa imensa idiotice de querer tomar de quem não tem e de querer lamber os ovos de quem anda com água na cintura
Porque tudo nessa vida passa um pouco despercebido quando é importante

E você? O que vê de correto na sua vida? Heim?
Você lê pra se informar ou gosta de horóscopo?
Você acredita na política ou deixou de ser idiota?
Você acredita em Deus ou acha que veio do macaco?

O que é certo e o que é errado? Alguém tem coragem de apontar?
E quanto sua fé nas coisas? A que lugar o que você acredita pode lhe levar?
Já saiu do seu mundo hoje e pensou um pouco em tudo a sua volta?
Ou ainda viaja em ondas e diz que isso é estilo de vida?

Me desculpe a sinceridade e devo dizer porque não, desculpe a inteligência...
Se a sabedoria da sua vida se transforma-se em uma aquarela qual seria a cor?
Acho que sua monocromia me abala e de uma certa forma me fortifica
Porque todos querem saber de tudo que não precisa ser sabido

E antes que acabe-me a vontade de lhe cuspir na face tudo que me incomoda
Queria lembrar-te de que a 3ª pessoa do singular sou eu
Quisera eu ter ignorância suficiente para ser feliz nesse mundo
Quisera eu pode olhar tudo e pensar num mundo melhor amanhã

Espero que essa reflexão lhe confunda e que traga a tona quem lhe afunda
E que esse entojo que hoje ostentas seja tua moradia amanhã
Porque o certo hoje é a lei do cão... mas pra mim é inversidão
Porque eu só faço com os outros aquilo que eu gostaria que fizessem comigo...

E se você souber de algo que é certo... por favor... me avise também
Darlan Santana
Enviado por Darlan Santana em 15/10/2007
Reeditado em 15/10/2007
Código do texto: T695532
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Darlan Santana
Aracaju - Sergipe - Brasil, 33 anos
139 textos (6335 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/17 23:13)
Darlan Santana