A PANDEMIA DO SUICÍDIO

“...dimitte mortuos sepelire mortuos suos”

“... deixe que os mortos sepultem os seus mortos”

(Mateus 8:22)

Quem sentenciou sobre outro sua pena de morte?

E vede que sozinho não morrerá, oh, não!

... visto que co’ele vai também os seus carrascos

Quão infelizes são [todos]!

Ó terra tão povoada... de mortos!

Mas, por quê?

Alguém nos convenceu (ou nos ensinou) a abandonar... a vida?

Ou “vivemos” hoje (no inconsciente coletivo) uma “pandemia do suicídio”?

É próprio dos mortos, oh, sim...

É peculiar da parte deles

... em querer que todos os demais

... lhes sejam seus...iguais

É próprio dos mortos

... querer roubar a vida

... dos vivos

É característico dos qu'estão nas trevas tomar

... a luminescência dos qu'estão na luz

É típico dos covardes arrancar a ousadia dos corajosos

É próprio dos tristes e miseráveis tirar a alegria dos felizes

É particular dos derrotados querer tomar o júbilo dos vitoriosos

Sim...

É de seu feitio que todos

... sejam como eles:

Mortos!

Mas...

Por que aceitamos ser roubados?

Por que não somos o tempo todo... assertivos?

Por que nos deixamos convencer pelas falácias d'outros?

Por que os permitimos qu'eles nos dominem?

Seria por uma espécie de "falta de imunidade" contr'eles?

Ah! somos facilmente (pelo mal deles) infectados!

Somos, talvez por grande imprudência de nossa parte,

... por eles "apanhados"... assaltados

Pergunto d'outra forma:

Por que "entramos na deles"?

Por que aceitamos ser por eles... "suicidados"?

Oh! como é contagioso o "mal da morte"!

E como se iludem [muitos] por acreditar qu'estão vivos!

A "pandemia do suicídio"!

Quando ela, pois, surgiu?

Quanto tempo ela está no mundo?

E por quanto tempo el'ainda estará?

"et nolite conformari huic saeculo, sed transformamini renovatione mentis"

"... e não vos conformeis com este mundo,

mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento"

(Romanos 12:2)

***********************************

14 de janeiro de 2022

"Para um escritor autêntico, mais de um leitor é exagero”

(Lêdo Ivo)