Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Deslumbre mudo

Sem a primazia dos arquitetos,
escrevo apenas versos retos,
um deslumbre mudo aos livros
de poeira premida, vestida nas capas.
Meus ledos e tristes dizeres
traduzem entardeceres de ânimo
a beira da janela, na cadeira.
Daqui o que vejo é reto,
horizonte, teto, ponte.
Nem água da fonte quer erguer-se,
nem terra mover, amontoar-se.
Queria virar, não posso.
Ei-me em mais um dia de retidão.
Quanta canção no pingar da torneira.
Uma bobeira resmunga a dobradiça.
Madeira mestiça, range o assoalhado,
soa arrastado o peso do passo.
Abraço de vento morto toca-me,
absorto, penso em direções outras.
Descomposta está a vida
em mal resolvida tela cubista,
desafiando o perfeccionista
no traço sem esquadros, sem réguas.
Não há tréguas quando regras sobram.
Não há perdão nos vales do não.
Não há céu para o réu.
E a reta minha se perdeu,
declinou em cor e virtude,
no trauma da carne plantou-se,
consagrou-se à incompletude.
Felix Ventura
Enviado por Felix Ventura em 16/02/2007
Reeditado em 06/11/2014
Código do texto: T383138
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Felix Ventura
São Paulo - São Paulo - Brasil, 44 anos
145 textos (4634 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 01/10/20 17:01)
Felix Ventura