Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SÔCO

QUANDO BRIGUEI LA NO ALEIXO,
ME DERAM UM MURRO NO QUEIXO,
QUE FOI SAINDO CATANDO ALPISTE.
QUASE ME QUEBRARAM A DENTADURA,
VOEI MAIS TORTO QUE SARACURA,
ACHO QUE O SÔCO FOI DO MACISTE.

ATE ACHEI QUE ESTAVA MORTO,
POR QUE FIQUEI COM O OLHO TORTO,
PELA VIOLENCIA DA BORDOADA.
FUI SAINDO DE CATACAVACO,
SAI PULANDO MAIS QUE MACACO,
SENTINDO A CARCAÇA QUEBRADA.

QUASE QUE FINDA MINHA RAÇA,
POIS SO ENXERGAVA FUMAÇA,
FIQUEI PARECENDO UM CHINÊS.
QUANDO LEVEI AQUELE MURRO,
PENSEI QUE FOSSE COICE DE BURRO,
ME ACERTARAM COM SÔCO INGLÊS

ME ATINGIU TAMBEM O PESCOÇO,
DIZEM QUE SEPAROU UM OSSO,
ME SOCORREU O HOMEM DE UM CORSA.
NO PAU DE ARARA FUI ESTICADO,
MAS PARA TUDO SER ENCAIXADO,
TIVERAM QUE USAR A MORSA.
GIL DE OLIVE
Enviado por GIL DE OLIVE em 01/03/2007
Código do texto: T397872
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
GIL DE OLIVE
Campos do Jordão - São Paulo - Brasil
2756 textos (249232 leituras)
31 e-livros (2339 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/09/20 10:06)
GIL DE OLIVE