Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A poesia é minha cruz!
A poesia é minha cruz!
 
Cega-me os olhos, não quero vê-la!
 
Tira-me o olfato,
não quero sentir o cheiro
que me comanda os desejos!
 
Tapa-me os ouvidos!
Não quero sussurro de amores,
nem dores, nem do escambau!
 
Tira-me o tato, não quero tocar!
Nem pau, nem pedra, nem pele,
muito menos nuvens de algodão
(detesto nuvens de algodão!).
 
Quero ser imune! Imune a tudo!
 
O coração do poema boêmio sangra,
grita, madrugada afora,
pelas ruas escuras da cidade.
 
Copo na mão, trocando os pés sobre
o asfalto das esquinas vazias,
das almas vadias,
a comentarem sobre o surto
do poema, que de tão curto,
explodiu em um só verso,
numa noite qualquer,
a céu aberto.
 
 
 
 
Taciana Valença
Enviado por Taciana Valença em 09/01/2021
Código do texto: T7155642
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Taciana Valença
Recife - Pernambuco - Brasil
2114 textos (163283 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/05/21 09:13)
Taciana Valença