Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
A cruel, estúpida e derradeira morte

Humanos, nos sentimos inseguros,
receosos do tenebroso e inevitável futuro.
Medrosos, sem coragem de olhar por sobre o muro,
frágeis, desvalidos, fortes sequer para escutar um sussurro.

Esses são versos de desprezados desconhecidos,
situados ao longe das lembranças, eventualmente esquecidos!
Dai percebemos que somos viventes despercebidos.
Errantes no mundo, andarilhos com receio de não serem acolhidos!

Dá calafrios definir um caminho, um norte, sem saber andar...
Ir em frente, no tremedal das esperanças perdidas, sem soçobrar...

Incrédulos, restam-nos as etéreas indagações:
Por que açoita a alma esse pesar?
Esse recôndito  descaminho tem um fim,
que é o fim do rio que escoa para o mar?

Na nossa condição humana, temos sede!

Ora, que não se busque enganos!

Bem sabemos o que aflige a todos nós:
É a sede de sermos fortes,
De recusar o devir que impõe o triste epílogo!
É a sede de sermos infinitos e inteiros, sem cortes!

Sede de decifrarmos a vil esfinge ao fim da sofrida e bela vida,
virando o fio do letal aço da má sorte!
Sede, insaciável sede, de domar o intempestivo algoz,
a cruel, estúpida e derradeira morte!
Charles Bakalarczyk
Enviado por Charles Bakalarczyk em 02/06/2018
Reeditado em 02/06/2018
Código do texto: T6353743
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Charles Leonel Bakalarczyk e o site https://charlesbaka.blog/). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Charles Bakalarczyk
São Luiz Gonzaga - Rio Grande do Sul - Brasil, 50 anos
3 textos (46 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/10/19 21:39)
Charles Bakalarczyk