Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CARTA quase LÍRICA aos HABITANTES no RECANTO DAS LETRAS

                      Caríssimas poetas, caríssimos poetas,
                              que poderia eu dizer-vos
                        para me amostrar, como mereceis,
                     grato não tanto por me considerardes
                      (generosos) poeta entre vós poetas,
                         mas sobretudo por me admitirdes
                              no vosso, já também meu,
                                 RECANTO DAS LETRAS,
                          como um irmão mais neste nobre
                               labor de nos melhorarmos
                           na cultivação da língua comum,
                          que nos torna pessoas no mundo.

                                           Não sabeis bem quanto devo
                                           (doce obriga) agradecer-vos
                                           os vossos amáveis comentários...
                          Quereria que todas... Colocai aqui
                          o vosso nome e a vossa compreensão
                          e sobretudo o vosso carinho...
                                     Quereria que todos... Igualmente
                                     postai o vosso nome e tudo
                                     o dissesteis tão assisado, extensão
                                     do vosso sentir...
                                                        Quereria citar uma por uma,
                um por um, o vosso nome,
                     mas temo deixar (sem eu o pretender)
                           a/o poeta mais importante
                                 no baú do esquecimento. Por isso
                                       me dirijo a todos e nominalmente
                  não digo o vosso nome, enquanto presentes
                         vos tenho um a um, uma a uma...

              Por fim, ouso também agradecer a compreensão
                     vossa pelo que na Galiza estamos a passar
                             ou a padecer por culpa do português
                    que o Reino não nos reconhece como língua
                           nossa; antes, procura que, deturpada,
                              assumamos uma mistura ou mixórdia
       (que diria o saudoso poeta e professor Guerra da Cal)
                           argalhada sem sentido e sem filologias,
                              mas reduzida, cativa, por exigências
              de política extremada por um nacionalismo torpe.

                         Obrigado a todas, obrigado a todos,
                     assim em prosa cortada, como se fossem
                     versos do mais alto lirismo: OBRIGADO!!!!
AGIL
Enviado por AGIL em 22/09/2008
Reeditado em 03/01/2009
Código do texto: T1190575


Comentários

Sobre o autor
AGIL
Portugal
2501 textos (53220 leituras)
10 e-livros (310 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/05/21 17:26)
AGIL