Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

 À sombra do nada
 
 
Sentado a sombra do nada
Voei nas asas da imaginação
Soltei palavras ao vento
Que se perderam na imensidão
 
Chamei atenção do tempo
Pois ele corria muito depressa
A solidão chegava correndo
Abri a porta pra ela sem pressa
 
Eu vi chegar à maldita saudade
Que seu papel muito bem representa
Eu me vi perdido na noite sem fim
Gritei mais alto que a tormenta
 
Que passou pelo céu de minha vida
A chuva deixou seu rastro no chão
Abracei o vento o tempo e o nada
Na esperança de fugir da solidão
 
Ali sentado à sombra do nada
Na imaginação eu voltei a voar
A noite se foi também à saudade
A tormenta acabou de passar
 
A chuva já estava distante
A areia do deserto o vento soprou
A poça de águas a areia cobriu
Meus olhos, uma lagrima chorou.
 
 
Balneário dos Prazeres: 29 / 01 / 2010
 
 
 

Volnei Rijo Braga
Enviado por Volnei Rijo Braga em 29/01/2010
Código do texto: T2058483
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Volnei Rijo Braga
Pelotas - Rio Grande do Sul - Brasil, 74 anos
2317 textos (155544 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/09/21 21:10)
Volnei Rijo Braga