Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

São as águas de abril

Derrubou-se o céu no centro da cidade
Borbulhavam as poças,
Corriam as moças,
Tudo não só molhado,
Mas também carregado
Para dentro do mar.
Derrubou-se o céu no centro da cidade.

Bem na hora do rush,
bem na hora fatal,
Todos na rua correndo,
Fugindo do mal.
Os carros buzinam,
As mãos se empinam,
Árvores balançando
Tais quais velhas vedetes
De outros carnavais.

Eu no meio disso tudo
Torcendo por tanto,
Ao mesmo tempo por nada,
Torcendo em um canto,
Olhando a enxurrada,
Levar o encanto
De uma lona molhada
E as ruas enchendo
De água empoçada
E preocupação.

E o céu não se cansa
Nesse resto tardio
Das águas de março
Não é pau, nem é pedra...
Mas pro fim do caminho,
É só mais um passo.
Odemilson Louzada Junior
Enviado por Odemilson Louzada Junior em 06/04/2010
Reeditado em 06/04/2010
Código do texto: T2179811
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Odemilson Louzada Junior
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 45 anos
299 textos (14057 leituras)
1 áudios (33 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/11/19 03:05)
Odemilson Louzada Junior