Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Monólogo do dinheiro

Guia-te por mim
E eu desvio-te dos teus caminhos.
Vives por mim
E eu mato em ti a vontade de buscar-te.
Lutas por mim
E eu abandono-te à própria sorte.
Morres por mim
Enquanto faço nascer-te o desejo de mais querer-me.
Matas por mim
E eu avivo em ti a egoísta satisfação de possuir-me.
Procuras por mim.
Trabalhas por mim.
Esperas por mim.
Multiplica-me para ti,
Subtraindo-me de outrem para teu bel prazer.
Idolatra-me acima de ti e mesmo acima de Deus
Pensando assim seres meu único senhor.
Tolice!
Sou eu que te governo a mente, o corpo e a alma.
Sou eu o teu algoz salvador
E te faço refém de meus poderes neste mundo podre.
Pensas enriquecer-te quando me possuis em abundância
Mas na verdade, te empobreces a cada vez que me enalteces.
Sou o mal necessário que criaste
E a cujas tentações nem sempre resistes.
Imaginas que a tudo podes comprar oferecendo-me,
Porém, pobre de ti!
Vendeste-me tua alma, tornando-te meu eterno refém.
E não cumpre a mim libertar-te.
Cabe a ti livrar-se de teus excessos de ganância
Deixando-me apenas para o que for necessário,
Pois afinal de contas, no final das contas,
Eu cá permanecerei
E tu... Bem...
Tu partirás e apodrecerás
Sem que, por ti, nada eu possa fazer.
                                                                  Cícero – 07-12-2015
Cícero Carlos Lopes
Enviado por Cícero Carlos Lopes em 07/12/2015
Reeditado em 10/12/2015
Código do texto: T5473150
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cícero Carlos Lopes
Ferraz de Vasconcelos - São Paulo - Brasil, 43 anos
374 textos (6594 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/19 02:08)
Cícero Carlos Lopes