Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DIÁLOGO ÍNTIMO

Pesa-te o fardo
que sobre os ombros estás a carregar?
Cansa-te
e sobre a terra cai com os joelhos dobrando?
Faltam-te forças e coragem
mesmo para a cabeça levantar?
Choras e amaldiçoas a vida que estás agora a levar?

Sim! Pesa-me, pois nem sei o porquê de tanto fardo
Sim! Canso-me,
pois não sei desde quando nem mesmo de onde
Trago o peso que carrego
e por isso forças e coragem não guardo
E assim choro, sem amaldiçoar,
porque parece que algo se esconde.

Nada se esconde,
tu que não te lembras do acordo feito
Antes de a este mundo tiveres de vir a permissão
Portanto, acalma este teu triste, aflito
e humano peito
Porque ainda tens muito o que cumprir
de tua missão.

Falas como se fosse fácil suportar tanta adversidade
Como se não machucasse
tropeçar nas pedras do caminho
Falas como se fosse fácil
perseguir inutilmente a felicidade
E colher, entre tantas belas flores,
maior número de espinho.

Controlas tua raiva,
pois de teu livre arbítrio fizeste uso
tiveste, dentre as dádivas divinas, a mais preciosa:
a Vida
agora, que culpa há em mim ou noutrem
se o teu abuso
Foi o maior causador de teus tropeços
e de tua ferida?

Mas de tantas agruras que passo
não entendo o motivo
E confesso que isso por vezes tantas é que desanima
Fazendo a alma querer libertar-se
da matéria em que vivo
Gerando o sofrer de uma existência tão ínfima.

Basta! Chega de tamanhas e inúteis lamentações
É hora de despertar em ti parte de tuas lembranças
Quem sabe revivendo
as tuas antiquíssimas sensações
Possas compreender o teu presente
e voltar às esperanças!

Muito do que nesta vida a ti é escasso
É porque em outra não dividiste a fartura
E cego pela ganância, caíste da soberba no laço
Que te fez perder a humanidade e a compostura.

Rejeitaste, outrora, o que agora tu tanto queres
Deste passos maiores
do que poderiam teus pés alcançar
por isso agora o medo com que tanto te feres
E os amigos, que poucos tens,
é porque dantes não soubeste valorizar.

Chega, pelo amor de Deus!
Não estou pronto para o resto ouvir
Entendo e aceito o meu papel de ser em construção
Não quero mais nenhuma dívida
com a eternidade contrair
E aos que em débito fiquei,
faço o meu pedido de perdão.

Sábia decisão tomaste ao reconhecer teus enganos
Não queiras retardar ou antecipar
o que não pode ser
E procuras eliminar os teus rompantes tão humanos
De ansiedade e de autopunição,
pois tudo tem a hora certa de acontecer.

Não te esqueças, porém,
de que esperança não é esperar
Muito menos de que o perdão
não nos exime das responsabilidades
Por nossos falhos atos,
mas que amortiza o saldo devedor
Se aliado com a correção
sincera de nossas disparidades.
                                                              Cícero – 03-07-2017
Cícero Carlos Lopes
Enviado por Cícero Carlos Lopes em 04/07/2017
Reeditado em 12/12/2017
Código do texto: T6045738
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cícero Carlos Lopes
Ferraz de Vasconcelos - São Paulo - Brasil, 43 anos
374 textos (6600 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/19 12:00)
Cícero Carlos Lopes