Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Até amanhã



Como é que se inicia o final?
Como se prepara o tal dos despreparo, como paraíso o oculto, viaja no teu parar, movimenta o teu jogo nocivo, dissolve esse destruidor passivo?
Impera, reverbera que ainda tem um tanto a perguntar.

Tem mais alguém que é seu?
Esvazia esses bolsos cheios de medo, desfaz a mala de discórdia.
Tem raridade nessas mãos, já existiu verdade nessa porta, já se ouviu destino nesse acontecer.
Todo depósito de perdão tem frascos que não abrem.

Maravilhosamente do azul que é cinza, do conforto de rochas, da placidez das lâminas, da paz de sangue, da respiração da algema.
Não é a corrente que termina em teu corpo, é o elo que espasma tuas liberdades.
Não é o que você tem, é o que tem em você!

É vertigem, é queda, é S-E-P-A-R-A-Ç-Ã-O.
O que a gente precisa é o que a gente não toca.
É no caminho que chove, não o final que mergulha.
Como é que tá ficando o antes e o depois da tua alma?

É o misto de vozes que cria a canção, é o gelo jorrando junto que aquece.
Uma mordida de contrariedade, meio pacote de opinião e o conforto tenta correr de volta à zona segura.
Não é o manter aceso, é sorrir por saber sentir o que é o horror do apagar.
Douglas Tedesco
Enviado por Douglas Tedesco em 15/11/2017
Código do texto: T6172971
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Douglas Tedesco
Tijucas - Santa Catarina - Brasil
323 textos (64590 leituras)
35 áudios (2958 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/05/21 12:00)
Douglas Tedesco