Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
O EXTREMO DA SOLIDÃO


Sozinho no mundo,
No mundo, imundo,
Afundo... bem fundo,
No rio da vida.

Mas, sou resistente,
Não morro afogado,
No curso desse rio indiferente,
Sozinho eu nado...

Até quando?
Não sei...

Sozinho estou,
Sozinho eu sou,
Sozinho eu vou,
Para onde...?
Não importa!
Quem se importa?

A dor é cortante,
A solidão tira o sono,
A expressão do meu semblante;
É de pleno abandono.

E sozinho na lida,
No curso do rio,
Sofrido da vida,
De tão só; para não chorar,
...Eu simplesmente rio.




DELEY
Enviado por DELEY em 09/02/2007
Código do texto: T375119


Comentários

Sobre o autor
DELEY
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
5387 textos (205169 leituras)
4 e-livros (1667 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/09/20 09:18)
DELEY