Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Solidão

Solidão,
me devora
como um bicho faminto.

Nas noites loucas
onde não há espaço
nem para mim mesma.

As horas não se esgotam.
Os retratos pendurados na parede
me enlouquecem.

O silêncio
manso me distrai;
no vazio que contempla
a própria calma.

Gostaria de uma pulperia,
onde ninguém pudesse me encontrar.

Virar pelo avesso
a farsa - esculpida em sonhos nus -
e delirar
em parte alguma.

Inferno secreto
enquanto ainda posso tocar
a lira - sublime ironia -
disfarçada no ardor: estupor visceral.


Verônica Partinski
Enviado por Verônica Partinski em 26/02/2007
Reeditado em 26/02/2007
Código do texto: T393547

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Verônica Partinski
São Paulo - São Paulo - Brasil
377 textos (13285 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/09/20 12:08)
Verônica Partinski