Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Caos

Eu sou o caos.
Estrada escura que termina em muro.
Grito de horror, ferida sangrando.
Eu sou o mal.
Quase o fim, caminho na beira.
Minhas unhas possuem a doença.
Nada lembro, nada me salvará.
Surdez aguda, desço rápido aos crocodilos do poço.
Tudo nunca foi muito, nada nunca foi meu.
Perdão não pedirei, o mundo me deve desculpas.
Eu poderia ter feito tanto, mas o ouro está nas mãos dos vilões.
É assim deus?
Seu carrossel de dor?
Sua infinita régua de injustiças?
Adeus a sede, adeus ao medo.
Última letra, último texto, nada de despedidas, decepção me guia.
Tudo era tanto, toda a matéria prima do universo que não se pode alcançar.
Razão não completa, só vejo tristezas, lágrimas e máscaras.
Só vejo fumaça, me guiando entre os mortos, nada de céu, ou inferno, o fim é vazio, infinita é a criação.
Solto agora, sua mão, e caio de joelhos no cimento áspero, não agradeço, é magoa que levo no bolso.
Sem sorrir, pego o trem sem destino.
Thiago Herek
Enviado por Thiago Herek em 08/10/2018
Código do texto: T6470337
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Thiago Herek
Londrina - Paraná - Brasil, 40 anos
162 textos (3562 leituras)
3 áudios (59 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/11/19 00:53)
Thiago Herek