Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Panelas mudas, vergonha desnuda

Calaram-se as panelas que outrora
Encheram e ensurdeceram as ruas contra a corrupção.
Envergonham-se talvez agora
Por reconhecerem-se marionetes da manipulação.

As avenidas, antes enfeitadas de fantoches amarelo-canário,
Multicolorem-se na cotidiana necessidade
O clamor, falso e hipócrita, não resistiu à fragilidade do cenário
E calou-se ante as provas da imbecilidade.

Percebe-se dia a dia a inequívoca farsa
Midiática, política e econômica para o poder usurpar
Está nitidamente na cara a grande trapaça
Cujo único objetivo é a base da pirâmide esmagar.

Enquanto a saúde, educação e segurança são rasgadas
A escravidão recomeça tendo como senhor a política corrupta
E as panelas continuam simplesmente caladas
Com  o judiciário vendido cerceando as formas de digna luta.

O que esquecem esses torpes ditadores da democracia
É que o meio e o alto abaixo traz a base quebrada
E com todos no mesmo nível inverte-se a social antropofagia
Saciando a fome de quem antes era a classe devorada.
                                                                 Cícero – 05-03-2017
Cícero Carlos Lopes
Enviado por Cícero Carlos Lopes em 05/03/2017
Código do texto: T5931668
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cícero Carlos Lopes
Ferraz de Vasconcelos - São Paulo - Brasil, 43 anos
374 textos (6594 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/19 02:03)
Cícero Carlos Lopes