Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

FILHAS
Lilian Maial


Os risos dos homens
nas entranhas dos que têm fome.
Os não olhares,
flagelos na pele da infância.
Como é doce brincar de irmãs
e dividir o último pedaço!

Um tímido dourado na nudez da tarde
anuncia que a noite é próxima
e o medo é pérfido.
Ah! A turgência das ruas!
A fulgência das duas...

Meninas ainda
com seus fardos.
Os bolsos vazios,
Os olhos vazios,
Os dias vazios.

O asfalto quente
canta pneus desafinados.
Há pássaros e cães perdidos.
Tanta gente, vozes e nãos. ..

É hora de voltar para casa
sem paredes,
nem parentes.
Dormir de vigília,
ouvir os risos e os borborigmos.
O bucho inchado de vento.

Na coberta de jornal,
um poema toca o colo,
aquela letra espeta a mão.
Mastigar uns versos e engolir a dor.

E passam os homens com seus desolhares.
Não veem os sonhos com luas
e seus namorados,
meninos que cheiravam cola
e sugavam pequenos seios magros.

Logo vem a aurora
- essa moça ciumenta -
rouba os garotos
e seus sonhos magros.

Novos risos da manhã.
Há que catar pedaços de pão
para dividir.

******
 
Lílian Maial
Enviado por Lílian Maial em 19/05/2019
Código do texto: T6651264
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Lílian Maial
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1177 textos (264468 leituras)
21 áudios (13956 audições)
3 e-livros (1496 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/07/19 00:59)
Lílian Maial

Site do Escritor