Velas de Linho

Corro...Corro...Corro

Pelas correntezas do rio,

Essa corrente é tão forte

Que me deixa em calafrios.

No grande mar dos teus olhos

Navega um amor sombrio

Que encalhou nos arrecifes

Esperando um desafio.

As braçadas dos teus braços

Balançam as velas de linho,

Nos dias de lua cheia

As dunas vão ser o ninho.

Cante e toque na viola

O amor bem miudinho,

O traçadinho das notas

Acordam os peixes do rio.

Esse amor tão inocente

Nasceu numa tarde anil

E caiu na ribanceira

Deixando a noite febril.

Do outro lado da margem

Entre a lua cheia e minguante

Dorme um amor crescente

Que renova-se a cada instante.