APARECESTE NO SILÊNCIO

Hoje tu apareceste em meu silêncio

Eu neguei-te três vezes imitando Pedro

Não quero ver tua réstia de luz

Quando mais precisei de ti

Foste tu a negar-me

Revelaste uma migalha de tua condição

Um dia, eu te desenhei como meu amor

No momento atual, és lembrança

Quase esquecida...

Não quero facetas, almejo o prisma

Inteiro, sem rachaduras ou máculas

Fique nas tuas sombras

Os meus noturnos, eu já iluminei com outros sóis

Hoje tu apareceste em meu silêncio

Perdeste a viagem, icei âncora deste cais

Tua presença não é mais bem-vinda

Muda teu rumo e deixe-me em paz!

DENISE