AS METADES

Ouvi desde muito cedo,

na verdade, bem pequena,

coisas que eram arremedo

da verdade e ainda reinam.

Aprendi sobre metades,

como aquelas das laranjas,

que dentro daquela verdade

é o que todo mundo arranja.

Ouvi muito em criança

que toda mulher que se preza

tem que guardar a esperança,

fazendo promessa e reza

de achar a outra metade

daquela sua laranja.

Segui crendo em metades,

sem as quais, diziam os "sábios",

ninguém tem felicidade.

Saí andando às tortas,

com esta lição guardada –

sem bater em muitas portas,

(sabe-se lá se é a errada?).

Mesmo assim muitas se abriram,

ainda que eu não as batesse,

umas de par em par,

outras com pouco interesse.

Andei juntando metades

do jeito que me ensinaram

e o resultado era a metade

daquilo que me falaram.

Cansei de tantas metades,

nem gosto de matemática,

veremos se assim inteira

fico mais feliz na prática.

Débora Denadai
Enviado por Débora Denadai em 15/04/2005
Código do texto: T11463
Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.