Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Esplendor
Lílian Maial



De súbito,
o peso de anos, sobre o dorso,
se desfez.
Aquele incômodo,
fardo de Atlas,
rompeu as barreiras,
soltou as amarras,
cedeu resistências.

Ela voou.
Ali, naquele instante,
abriu suas asas douradas
(que sempre soubera recolhidas)
e encantou-se de sua liberdade.
Subiu no topo do mundo,
com o sorriso pleno dos deuses,
o rasgo fino da boca dos sábios,
e, diante do conhecimento de todas as verdades,
sentiu o alívio dos que se atrevem.

Ela voou.
E não foi em dor ou agonia,
mas numa estranha sensação
de arrogante alegria.
A mesma dos anjos idosos,
para quem o tempo parou de contar.

Ela voou,
artista principal de sua vida,
não regateou seu papel,
o palco era seu,
não aceitaria menos que o destino.

Então,
na consciência de lagarta
prestes a parir asas,
renegou o casulo
e pôs-se a sonhar mulher alada.

Voou.
E, no balé de suas plumas,
abanou certezas de segundo,
liquefez as pedras e as farpas,
derreteu a frieza dos homens,
sacudiu lembranças com o vento,
e lançou-se.

E o mundo todo,
lá de baixo,
não ousou fitar a libélula dourada,
espalhando lágrimas de purpurina,
pólen de saudade lagarta,
que não conseguiu amputar as próprias asas.

Nascera borboleta pronta,
e nunca poderia deixar-se morrer no casulo.


*********

*pintura de Tenini

Lílian Maial
Enviado por Lílian Maial em 03/03/2006
Reeditado em 15/02/2010
Código do texto: T118091


Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Lílian Maial
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1227 textos (273728 leituras)
21 áudios (14064 audições)
3 e-livros (1588 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/09/20 20:31)
Lílian Maial

Site do Escritor