Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
        ALTO-FORNO

               (Aos antigos companheiros da Siderurgia)


Olhos esbugalhados
com os mais de mil graus que o ar nos cospe,
injectamo-lo nós pelas tubeiras
junto com o nosso sangue regando as cargas
da ganga de minério que expelimos
com a nossa tosse funda a espirrar castinas.

Explodem-nos as têmporas como escórias ferruginosas
a oxidar o carbono que nos engelha a pele
e a endurece como ao aço, que corre liquefeito
pelos canais de barro refractário
para a laminagem,
numa gusa galopante a transpirar os gases
rubros do nosso sangue,
altiva como se nós não fôssemos também, tal como o coque,
imprescindível matéria para a sua têmpera.

A sangria do alto-forno, a cada meia-hora,
é também a sangria das nossas vidas.
Respiramos o sufoco, que nos desespera e enfurece,
somos brasas humanas a arder por fora
e a crepitar por dentro,
mijamos sangue na escuridão das noites silenciosas
mas, ainda assim, por entre os nossos dedos
desabrocha a esperança dum porvir longínquo
aonde unicamente o sonho nos conduz.
CARLOS DOMINGOS
Enviado por CARLOS DOMINGOS em 30/12/2008
Código do texto: T1360253

Comentários

Sobre o autor
CARLOS DOMINGOS
Portugal
80 textos (23778 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/19 13:28)
CARLOS DOMINGOS