freud, pink floyd e os mutantes

dançavam bruxas esquizóides,

os mutantes, pink floyd, esquizofrênicos piravam

e os sons que enovelavam

eram sonhos que eu perdi, era a voz de rita lee

berimbau — berimbaubuando paranóias,

piras, flamas, fadas, tróias invioláveis e trapézicas,

eram disfunções elétricas, epilépticas

carruagens de cavalos

‘doidecidos, syd barrett os estígios

passeando, e de mãos dadas cogumelos, e os lençóis desarrumados

de um hospício alucinógeno

nos prostíbulos do sexo, e na rachadura do reflexo

me perdia num instante

entre guitarras dissonantes, entre freud, pink floyd e os mutantes