Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Mostrai! Senhor Deus. De nós, Desgraçados.

Céus! Deus de nós, Desgraçados. Mares do Norte ao Sul
Tufões, raios, que aquém de nós trouxeram  a fúria sem fim
Destes humanos incorrigíveis, destas almas desalojadas de
o seu próprio Ser. Do saber, do entender, do agir assim.
 
Hipócritas! Deuses que dominam este Universo no avesso
Que por tantas noites, sem apreço, nos determinam o seguir.
Sem direção alguma, sem guia, sem o prazer da luz vigia
Neste santuário imenso, a jorrar sangue em nós, noite e dia.
 
Vozes que difamam a esperança neste desterro  em ousadia
E de conta em conta, finge orar, ao ditar regras e leis.
Céus! Cinzas nuvens desconfortadas entre a fumaça
Extraindo da humanidade toda perfeição, graça e raça.
 
Lívida! Assim é a visão da mente parcialmente humana.
A conduzir o corpo a venerar a dor alheia, a desgraça
Voando o infinito mais que pode, sem piedade lança
Em nós, a navalha afiada, que se esconde entre a fumaça.
 
Céus! Deus de nós, Desgraçados! Breve se esvai a esperança
Perdida entre os turbilhões da noite, onde impera a vingança.
Nesta disputa pelo poder, petróleo  e outras  riquezas mais
Por uma terra destruída por suas próprias lições profanas.
 
Despojaram noites desassossegadas pelo silêncio sombrio
A enganar a lua cheia com seus aviões de guerra malditos
Adulteraram as águas doces e salgadas, com suas químicas
Embebedaram-se da fúria e atacaram os fracos, oprimidos.
 
Fincaram bandeiras sobre terras estremecidas e fúnebres
Deslizando a vara, sobre os corpos dos  varões esticados
Sob as valas entreabertas por canhões, míseros disparos
Tornando-se inutilmente honrosa, vergonhosas atitudes.
 
Céus! Deus de nós, Desgraçados! Compõe agora a frase
E Dita desde os Céus, até as profundezas destes mares
Afinca Tua mão sobre o coração desta Bendita Terra
E Dizeis: Basta!  A esta perversa e nua, Humanidade.
 
Trazeis ,então, Vestes para cobrir a vergonha, que em nós
Fora exposta sem piedade, para ser explorada sem pudor
Por aqueles que: sem alma, sem justiça,  afincaram
Cruelmente a espada, levantando a guerra, aflorando a dor.
 
Mostrai! Senhor Deus! A todos os povos, perante os seres
Que não mais produzirá a terra, além das balas de canhão
Que se alimentará a Humanidade hipócrita e perversa
Desta pólvora maldita, plantada  por todo este chão.
 
Que beberão enxofre em vez de água fresca e potável
E, de seus filhos, restarão as ultimas míseras medalhas
Expostas ao  infinito mar de areias quentes e solitárias
Sem poder a Humanidade prestar devidas honrarias.
 
A quem pagará o homem a sua própria morte?
Mostrai! Senhor Deus. De nós, Desgraçados.

limaodoce
Enviado por limaodoce em 20/01/2009
Código do texto: T1394125
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
limaodoce
São Paulo - São Paulo - Brasil, 64 anos
150 textos (11154 leituras)
6 áudios (274 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/07/19 21:38)
limaodoce