Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
             RECITAL


     Subo a este palanque
     para dizer um poema
     de amor e de ternura
     dedicado àqueles homens
     que nas estrelas contemplam
     o reflexo da eternidade.

     Porém, de repente, enrola-se-me a voz,
     recusa-se-me o gesto, 
     e desvanece-se a mímica
     com um furor a navegar-me as veias.

     É que, dentro de mim,
     há mãos e dedos a apontar
     ali, na Palestina,
     alcateias de tanques
     semeando crianças mortas
     pelas ruas de Gaza.

     Como posso eu dizer este poema
     tão tranquilo
     se dentro de mim, no fundo dos meus olhos,
     me atormenta aquela criança fria
     com um grito de sangue a escorrer da boca?

     Aquela criança 
     e outra e outra e outra
     são esperanças em botão esfaceladas
     com estilhaços de bombas
     cravados no cérebro.

     Aquela criança
     ali,
     de olhar de vidro frio e penetrante,
     não consente que eu diga,
     aqui,
     este poema tranquilo.

     E ainda o grito daquela mãe
     enche-me os ouvidos
     para que a minha boca também grite.
     E é já o grito de todas as mães
     a estremecer a terra,
     a abanar, a abanar,
     para que o ódio se desprenda e afunde.

     Como é que eu poderei dizer, aqui, este poema,
     se um gargalhar de assassinos,
     rugindo como gorilas dementes,
     ameaça fechar o Sol
     aos olhos inocentes deste povo?

     Como pintar de amor a raiva que eu próprio sou?
     Como adoçar a voz e não gritar,
     não ferver, não saltar, não correr,
     não transformar os versos em granadas,
     fuzis, espadas, mísseis, fortalezas,
     para impedir que voltem a matar
     esta criança que me está nos olhos
     vincando o meu remorso de ser gente?

     É certo que eu subi a este palanque 
     para dizer um poema tranquilo.
     Mas, afinal,
     vão desculpar-me
     porque eu
     não vou dizer poema nenhum! 

                                                              (Janeiro de 2009) 
CARLOS DOMINGOS
Enviado por CARLOS DOMINGOS em 24/01/2009
Código do texto: T1402204

Comentários

Sobre o autor
CARLOS DOMINGOS
Portugal
80 textos (23774 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/19 11:29)
CARLOS DOMINGOS