CACTO

Queria escrever-te um poema

pra você saber que pena

que o teu oco me dá.

Inútil.

Nem vale a pena.

Sei lá.

Você não existe: vegeta.

E como planta, é cacto.

Só espeta.

Não floresce.

E quando o faz

é pasto ao gado faminto.

É pena.

Mas se digo outra coisa,

é bem verdade que minto.

Débora Denadai
Enviado por Débora Denadai em 01/05/2005
Código do texto: T14182
Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.