Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CARTOMANTE

Tuas mãos, nascidas do escuro,
não espreguiçaram um dedo na luz
ao tocar o louva-a-deus em trabalho de parto.

Eu parto, quebro e arrebento
o dia numa tarde de sol
que pariu o rebento do cisne
na dança.
Eu danço, morro e desenluvo
as mãos juntas, em par,
que devolvem namorados às luas
cheias de medo.
Eu medo, eu perco, eu desboto
a curiosidade assimétrica
que desenharam as linhas das mãos
quando lidas a dedo.

Tuas mãos, vindas do escuro,
arregalaram as vistas do cartão-postal
que viram o choro nascer sem lágrimas pares.
E, se a caligrafia da morte rondar, só e sem destino,
hei de te abraçar até trocar de mal com o tato da falange impar.

Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 03/05/2005
Código do texto: T14446
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
662 textos (20939 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/08/20 11:50)
Djalma Filho