UMA JÁ É DEMAIS

Séria,

a dizem misteriosa.

Se ri,

espalhafatosa.

Quieta,

sem querer prosa,

sai de perto,

é rebordosa.

Um tanto anjo

às vezes parece.

Não se iluda,

nem faça prece.

Foge

se desconhece

o tamanho do perigo

ou se por demais

lhe apetece.

Quem ela é?

É todas

e nenhuma.

É ela.

E por si só

revela

que ser ela

já é demais.

Débora Denadai
Enviado por Débora Denadai em 09/05/2005
Código do texto: T15955
Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.