Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Plantação


Essa terra estéril em mim tão revirada
do raiar da manhã ao fim da tarde
guarda em seu seio as sementes
dos poemas ainda não germinados.
Tantos motes plantados em silêncio
dormitam preguiçosos sob o sol;
esse sol inclemente ao meio-dia
que, cansado se vai quando entardece
e na pálida luz da madrugada
um orvalho de mim gera rebentos
dos poemas nascidos, mal-formados...
Passa o tempo e a terra antes deserta
amanhece coberta, relva tímida;
a poesia brota finalmente nesse chão
e talvez dê frutos – talvez não...
A incerteza da estação não desanima
e se – talvez – nascer um alimento
ele terá gosto de sonho – esse é meu pão
e dele eu vivo e me sustento!
Poeteiro
Enviado por Poeteiro em 22/05/2009
Código do texto: T1608324

Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Poeteiro
Santos Dumont - Minas Gerais - Brasil
440 textos (11386 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/11/19 19:54)
Poeteiro