Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UM QUALQUER POETA

Um poeta não sua. Soa.
Dos demais destoa
Por ser capaz
De olhar para trás.

Desfaz-se do segredo,
Revela o medo
Perpétuo
De tocar a língua
De todas as palavras.

Àspero como sexo à seco,
Rompe o dique
Desconexo,
Translivre,
Lucida o século
Em que vive
Porque nunca viverá
O prego
E sim
O martelo.

O poeta é um beijo.
Põe-se e vai-se,
Fica apenas a marca
Do casco
Que sai do cais
E desaparece no Nunca Mais.

Um poeta não versa sobre economia.
Come o que tem, Tudo,
Farta-se com a falta,
Absurdo,
Releva o relevo,
Põe-se de pé,
Endireita-se,
Desaparece no que parece.

Um qualquer poeta,
Uma qualquer esquina,
Um qualquer diamante,
Uma qualquer usina.




Preto Moreno






















Preto Moreno
Enviado por Preto Moreno em 24/05/2006
Código do texto: T162066


Comentários

Sobre o autor
Preto Moreno
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil
9207 textos (124768 leituras)
23 áudios (507 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/02/21 10:29)