Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Momento do fabricante de valsas

Os ventos de outono,
Conduzem muitas coisas.
Poeira, folhas, micróbios,
Poesias, pensamentos, lamentos.
Vão-se para longe,
Um não acabar de coisas.
E parado sobre o gramado,
Com a placa :"Proibido pisar",
O fabricante de valsas toma parte,
Da manifestação natural das coisas.
Neste dia ele ficou mudo.
Ficou pasmado.
Não triste. Reticente.
Hoje não haverá valsa.
Hoje não haverá espetáculo.
Porque o vesto leva pra longe,
Até manifestações melódicas.
Então dalí em diante,
O fabricante irá pelas ruas.
Um sorriso bobo no canto da boca,
Umas idéias meio salientes.
EDUARDO PAIXÃO
Enviado por EDUARDO PAIXÃO em 26/05/2006
Código do texto: T163421
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
EDUARDO PAIXÃO
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
1719 textos (28579 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/09/19 05:35)
EDUARDO PAIXÃO