TEMPO RETIDO

Ao longo das lentas manhãs

não se faz a canção.

Há um adormecer anestésico

inibindo as frases das matinas.

O silêncio dos sinos badalando

prenuncia um sono profundo.

O poema aguarda um clarão no horizonte tardio.

Otávio Coral
Enviado por Otávio Coral em 16/05/2005
Código do texto: T17311