Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Decreto de Inverno

(Tere Penhabe)
 
Sou a paz que habita alguns seres
a procura, a ventura, a luz
mesmo podendo escolher meu caminho
sou dos pássaros feridos, o ninho.
 
Vento que toca a lágrima no rosto
é o carinho inventado por mim
onda do mar, buscando o amor, sou eu
o sol ao nascer, é de mim  um rompante.
 
Sou a homenagem de Deus para alguns
resquício de amor desse mundo imundo
aragem fresca que banha as planícies
árvores fortes, crescidas na encosta rude.
 
Eu sou a luta, sou a vida e sou a morte
 serei sempre a parceira de um forte.
 sonhar incessante, almejado, querido
 razão constante de não sei quantas vidas.
 
Sou a amiga que empresta o colo macio
na tarde dolente, de mágoas e alma carente
a esperança no leito de um rio fluente
que corre na vida dos que têm poder.
 
Sou esquecimento, lembrança, saudade
sou abandono e o arrependimento tardio
sou a luz de um outro caminho que se abre
na vida de quem procura a verdade.
 
 Sou o afeto sublime para doar a quem merece
carícia morna, às vezes sou uma prece
dos sábios que sabem sondar minha alma
sou a vertiginosa escalada que muito enobrece.
 
Sou também, em maior número talvez, a  dor
ilusão perdida, encantos de uma vida partida
mas se tiver a sensibilidade que os poetas têm
pode me ter somente o lado bom, nunca o desdém.
 
E posso ser, por amor, jamais por gratidão, mulher
parceira conivente de um momento de delírios vivos
que lhe tira o saber em troca do prazer, e o enlouquece
na divisão mais sábia que Deus inventou: o ato de amor!
 
Sou tudo isso e muito mais, se você quiser...
porque eu sou MULHER!
 
 Itanhaém, 04/03/2004_05:06 hs
www.amoremversoeprosa.com
Tere Penhabe
Enviado por Tere Penhabe em 01/10/2009
Código do texto: T1842871


Comentários

Sobre a autora
Tere Penhabe
Santos - São Paulo - Brasil, 66 anos
252 textos (29213 leituras)
5 áudios (647 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/05/21 05:08)
Tere Penhabe