ANTIDEPRESSIVO POÉTICO

Há dias em que me perco das palavras

e as palavras feito cães selvagens

revoltam-se e fogem às rimas.

São dias de aprazolans,

fluoxetinas e mirtazapinas,

que deprimem meu orgulho.

E o único antidepressivo

que levanta minha bola

ainda é a palavra, a rima,

que corre, deita e rola,

e foge, feito menina,

livre de vez da gaiola

Débora Denadai
Enviado por Débora Denadai em 21/05/2005
Código do texto: T18826
Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.