TEUS OLHOS (íntegra)

Teus olhos,mais de uma vez,

objetos dos meus delírios,

assuntos de muitas poesias,

causa de deliciosa insensatez.

Já iluminaram caminhos,

já acenderam fogueiras,

já retiraram espinhos,

juntaram os meus pedaços

e me puseram de novo inteira.

Teus olhos fizeram luz na estrada

mostrando-me outras rotas

antes não vislumbradas.

Teus olhos, tome nota:

são mais que dois faróis azuis,

são o mapa completo,

o guia do céu, a rota

para perder-me do que fui,

a canção que, nota por nota,

que limpa, clareia, dilui

as águas escuras, paradas

daquilo que um dia fui.

Teus olhos abrem estradas,

pintam de azul o horizonte,

são água pura de fonte

e eu estou sedenta, cansada:

descansarei nas tuas mãos

os montes da minha paisagem

certa de que seguirão,

certeiras, a mesma viagem

que os teus olhos indicaram,

abrindo estradas, expondo paisagens,

fazendo chover a cântaros

nos desertos de minhas paragens...

Débora Denadai
Enviado por Débora Denadai em 25/05/2005
Código do texto: T19660
Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.